Juiz chama tratamento do relatório Mueller por Barr de distorcido e enganoso

Decisão prevê que pasta compartilhe versão integral do documento

Washington | The New York Times

Um juiz federal dos Estados Unidos fez fortes críticas na quinta-feira (5) à condução pelo secretário de Justiça, William Barr, do relatório preparado pelo promotor especial Robert Mueller sobre a investigação da interferência russa nas eleições americanas de 2016

O magistrado afirmou que o secretário apresentou uma versão distorcida e enganosa das conclusões do documento e não tinha legitimidade para se manifestar sobre o assunto.

homem de terno escuro andar, usa óculos e tem cabelo grisalho anda; há dois homens vestidos de forma similar, com ternos, atrás dele
Secretário de Justiça, William Barr, chega ao Capitólio para participar de evento de senadores republicanos - Alex Wong - 25.fev.2020/Getty Images/AFP

O juiz Reggie Walton disse que Barr não é confiável e apontou inconsistências entre as declarações dele sobre o relatório, feitas quando o documento estava sob sigilo, e seu real conteúdo, revelado depois e que se mostrou mais prejudicial ao presidente Donald Trump.

Walton disse que a "falta de sinceridade" do secretário põe em questão sua legitimidade e, por sua vez, as afirmações do departamento ao tribunal.

O juiz ordenou que o Departamento de Justiça lhe mostre, em particular, as partes do relatório que foram censuradas na versão pública, para que ele possa verificar as justificativas dadas pela pasta.

A decisão faz parte de um processo judicial baseado na Lei de Liberdade de Informação que busca obter uma versão completa do relatório.

"Seria ingênuo o tribunal concluir que as supressões [feitas no] relatório de Mueller relativas à Lei de Liberdade de Informação não foram contaminadas pelos atos e representações do secretário Barr", escreveu Walton, que foi nomeado em 2001 pelo presidente George W. Bush (2001-2009).

Uma porta-voz do Departamento de Justiça não comentou a decisão. O caso se concentra em solicitações do Centro de Informação de Privacidade Eletrônica e de Jason Leopold, repórter do BuzzFeed News.

Tradução de Luiz Roberto Mendes Gonçalves

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.