Julgamento de Netanyahu é adiado devido à crise do coronavírus

Premiê responde a acusações de fraude, abuso de poder e quebra de confiança

Jerusalém | Reuters

Com início previsto para esta terça (17), o julgamento do premiê Binyamin Netanyahu, que responde a acusações de fraude, abuso de poder e quebra de confiança, foi adiado por dois meses, até 24 de maio, por causa das restrições de aglomeração pelo coronavírus.

A Promotoria afirma que ele aceitou indevidamente o equivalente a US$ 264 mil (R$ 1,2 milhão) em presentes de empresários, incluindo cigarros e champanhe. Netanyahu nega.

Homem branco com cara séria e bandeira de Israel (estrela de davi azul sob fundo branco) ao fundo
O primeiro-ministro de Israel, Benjamin Netanyahu, em encontro de gabinete em Jerusalém - Oded Balilty/AFP

Em meio à decisão do presidente Reuven Rivlin de consultar o opositor Benny Gantz a formar um governo, o premiê propôs um governo de "emergência nacional" de seis meses para coordenar o combate à doença.

Netanyahu fez o teste para saber se havia contraído o vírus, e o resultado deu negativo, informou seu gabinete.

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.