Descrição de chapéu DeltaFolha Eleições EUA 2020

Sanders é a estrela entre os jovens, enquanto Biden domina voto dos mais velhos

Candidatos estão entre os favoritos da corrida democrata à Presidência dos EUA

São Paulo

Os jovens democratas estão encantados por um senhor de 78 anos, Bernie Sanders. Os mais velhos preferem o de 77, Joe Biden.

Ao se analisar o sucesso até aqui de cada candidato, dentro dos subgrupos dos eleitores nas primárias, salta aos olhos a diferença na faixa etária que apoia cada um deles.

Sanders ficou sempre acima dos 43% das intenções de votos entre os eleitores de até 29 anos, considerando os 16 estados com dados disponíveis pelas pesquisas da Edison Research, divulgadas pela CNN.

Nessa faixa de até 29 anos, Biden não ultrapassou os 30%.

Os candidatos democratas Joe Biden (à esq,) e Bernie Sanders
Os candidatos democratas Joe Biden (à esq,) e Bernie Sanders - Mark Felix e Mark Ralston/AFP

O abismo é ainda maior se considerados os ainda mais jovens —eleitores de até 24 anos. Sanders chega a 68% em Nevada; o teto de Biden é 31%, na Carolina do Sul.

A coisa muda completamente entre os eleitores acima dos 65 anos. Biden atinge 78% no Alabama; o teto de Sanders foi 41% (em Vermont).

 

Essa grande diferença parece ser um reflexo perfeito das promessas de cada candidato.

Sanders defende bandeiras vistas como extremamente progressistas, como um plano de saúde gratuito para todos os americanos; acesso ao ensino superior também de forma gratuita; e cancelamento das dívidas vindas de financiamento estudantil de 45 milhões de cidadãos (impacto previsto de US$ 1,6 trilhão, o equivalente a R$ 7 trilhões).

São medidas com grande apelo entre os jovens, mas que trazem dúvidas sobre a viabilidade orçamentária.

Biden se coloca como candidato mais ponderado, capaz de atrair eleitores de Donald Trump em 2016, mas que poderiam migrar para os democratas agora (só que não fariam a mudança em direção a um socialista, como Sanders se autodenomina).

Uma dificuldade para Sanders nessas primárias é que o público jovem, sua base, tende a ter um comparecimento mais baixo. Historicamente, os eleitores mais velhos são quatro vezes mais presentes que os jovens nessa etapa.

Ou seja, mesmo que Sanders tenha grandes vantagens percentuais entre os democratas jovens, eles representam baixo número absoluto de votos.

Essa matemática, porém, pode se voltar contra Biden, se for ele o oponente de Trump.

Nas eleições gerais, o comparecimento dos jovens cresce. Se nas primárias há 4 vezes mais eleitores mais velhos, na disputa final a diferença cai para 1,6 vez, aponta análise de Martin Wattenberg, no Washington Post.

A eventual indicação de Biden em 2020 pode rememorar o caminho de Hillary Clinton em 2016. Ela também foi bem nas primárias entre os mais velhos, mas teve pouco apoio entre os jovens.

Na eleição final, a estimativa é que 55% dos jovens tenham votado em Hillary contra Trump, cinco pontos percentuais a menos que Barack Obama quatro anos atrás. Segundo os próprios estrategistas da democrata, a diferença foi crucial para sua derrota.

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.