Descrição de chapéu Governo Trump Coronavírus

Trump declara estado de emergência nos EUA devido ao coronavírus

Medida permite usar US$ 50 bilhões para combater a pandemia

São Paulo

Os Estados Unidos declararam estado de emergência nacional na tarde desta sexta (13) devido à crise do novo coronavírus. A medida permite ao Executivo usar US$ 50 bilhões para combater a pandemia.

O dinheiro poderá ser solicitado por estados, localidades e territórios para "a nossa luta conjunta contra essa doença", disse o presidente americano, Donald Trump, em declaração na Casa Branca.

Trump declara emergência nacional na Casa Branca, em Washington - Jonathan Ernst/Reuters

"Para usar todo o poder do governo federal para esse esforço de hoje, estou declarando oficialmente uma emergência nacional —duas palavras muito grandes", completou.

​​Trump pediu que os estados ativem centros de emergência para ajudar a combater o vírus, e, com a nova medida, cerca de 5 milhões de novos testes de coronavírus serão disponibilizados, embora o republicano tenha pedido que exames sejam realizados apenas por quem apresentar sintomas.

Esse volume será possível porque o governo está fazendo uma parceria com o setor privado para acelerar a produção dos testes.

Na quarta-feira, a presidente da Câmara dos Deputados, a democrata Nancy Pelosi, afirmou que a Casa vai aprovar uma lei para fornecer exames gratuitos, mesmo a quem não tem seguro de saúde.

Na noite dessa sexta, Pelosi anunciou que chegou a um acordo com a gestão Trump para aprovar um pacote de ajuda mais amplo para o coronavírus.

A legislação, que deve ser aprovada rapidamente na Câmara e no Senado, irá incluir o pagamento de licença remunerada a profissionais que tenham que se afastar do trabalho por causa da doença, disse a democrata.

O presidente também anunciou que famílias americanas retornando da Europa serão submetidas a procedimentos extras de segurança, além de ficarem em quarentena.

A norma que baliza a decisão anunciada por Trump é a Lei Stafford, de 1988, da Agência Federal de Gestão de Emergências (FEMA, na sigla em inglês), que serve tanto para ajudar governos estaduais e municipais em caso de catástrofes naturais quanto na coordenação de uma resposta federal.

Apesar de o recurso ter sido usado até agora basicamente para desastres naturais —como no episódio das queimadas na Califórnia—, também pode ser aplicado em caso de pandemia.

Ao lado de Trump, estavam Anthony Fauci, especialista do Instituto Nacional de Saúde, e Alex Azar, secretário de Saúde, que agora poderá dar mais poder a médicos e hospitais para combater o vírus, incluindo tratar pacientes por meio de equipamentos operados remotamente.​

O anúncio nesta sexta, que também inclui a suspensão da cobrança de juros de financiamentos estudantis e uma ordem ao Departamento de Energia para aproveitar os preços baixos de petróleo para abastecer reservas estratégicas, mostra uma nova reação concreta de Trump à disseminação do coronavírus.

Na quarta, ele restringiu a entrada de estrangeiros vindos da Europa, decisão considerada uma guinada brusca para corrigir a rota da resposta à pandemia pelo presidente —criticado por ter feito pouco caso quando soaram os primeiros alarmes.

O governo americano é acusado de ter desmontado aparatos de emergência, desacreditado cientistas que trabalhavam para o governo e motivado, assim, uma fuga de cérebros —uma situação que torna mais difícil, hoje, a contenção da crise.

​A estimativa é que ao menos 1.600 cientistas tenham deixado as agências públicas durante os dois primeiros anos de gestão do republicano.

Há anos cientistas alertam para a possibilidade de uma epidemia de tamanhas dimensões. Tanto que, em 2014, depois da crise do ebola, o então presidente americano Barack Obama criou um time de segurança nacional na Casa Branca para lidar com o risco de epidemias.

Essa equipe, no entanto, foi desmontada em 2018 por Trump, que nesta semana se viu em meio a dúvidas de que estaria infectado pelo vírus.

No último sábado (7), o que seria apenas uma reunião diplomática com Jair Bolsonaro no resort do republicano em Mar-a-Lago se tornou uma possibilidade real de contaminação do presidente americano.

Isso porque o secretário de Comunicação do Planalto, Fabio Wajngarten, que estava na comitiva brasileira e tirou fotos junto a Trump com bonés com a inscrição "Make Brazil Great Again", veio a receber o diagnóstico de coronavírus na quinta-feira (12).

A notícia alarmou autoridades brasileiras e americanas que tiveram contato com ele durante a visita de Bolsonaro à Flórida. A Casa Branca, no entanto, anunciou num primeiro momento que não havia necessidade de Trump, 73, e o vice, Mike Pence, 60, fazerem o teste para saber se estão contaminados.

Na entrevista coletiva nos jardins da Casa Branca nesta sexta (13), o presidente americano, porém, disse que provavelmente fará o exame para detectar se contraiu ou não o vírus "muito em breve", ainda que, diz ele, não tenha apresentado sintomas.

A decisão, afirma Trump, não seria motivada pelas interações com o secretário de Comunicação brasileiro —o americano, aliás, disse não fazer ideia de quem Wajngarten é.

"Mas eu tirei fotos [com Wajngarten] e isso demorou literalmente alguns segundos. Eu não sei quem é esse senhor de que estamos falando."

O presidente brasileiro, por sua vez, anunciou nesta sexta que seu teste para o coronavírus deu negativo.

O Departamento de Saúde e Serviços Humanos dos EUA já havia declarado a Covid-19 uma emergência de saúde no final de janeiro, mas a medida foi tomada com base em outra lei. A norma permite que restrições sejam impostas a pessoas que chegam ao país vindas da China, por exemplo.

Além disso, diversos estados declararam emergência, o que permitiu a criação de zonas de confinamento, como uma de pouco mais de 1 km em New Rochelle, em Nova York, um dos focos do vírus no país.

Nos EUA, há até o momento 2.030 casos confirmados e 47 mortes registradas.

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.