Descrição de chapéu
Byung-Chul Han

Pandemia do coronavírus indica retorno à sociedade disciplinar

Em países da Ásia, necessidades individuais são suspensas em favor do interesse de todos

Byung-Chul Han

Bastante esquecidas estão hoje as inimagináveis medidas disciplinares tomadas na Europa no século 17 diante da peste bubônica. É de impressionar a descrição delas feita por Michel Foucault na sua análise sobre a Sociedade Disciplinar.

Casas eram trancadas por fora, e as chaves eram obrigatoriamente entregues às autoridades públicas. Pessoas, que secretamente deixassem a quarentena, eram punidas com a morte. Animais que ficassem à passeio também eram mortos. A vigilância não dava brechas, e era necessária uma obediência incondicional, pois toda casa era observada.

Durante as inspeções, todos os moradores de uma casa deveriam aparecer na janela. Aqueles que por acaso morassem nos fundos ou no quintal teriam que ter uma janela voltada para a rua. Todos eram chamados pelo nome e questionados sobre a situação em que se encontravam. Quem mentia, precisava calcular levando em conta também a pena de morte.

Câmeras de vigilância em Xangai; China usa tecnologia de monitoramento para controlar rigidamente os casos de coronavírus - Aly Song - 4.mar.20/Reuters

Havia sido instalado um sistema eficiente de registro. Os espaços eram formados como uma rede de células impermeáveis. Cada um preso em seu lugar, e quem tentasse se deslocar, colocava sua vida em risco. O poder invadia os mínimos detalhes da existência, e toda a sociedade virava um panóptico (penitenciária ideal). Uma sociedade permeada por um visão bastante panóptica.

Apesar do neoliberalismo, os Estados asiáticos, ao contrário do Ocidente, permaneceram como sociedades disciplinares. A coletividade diretamente vinculada à disciplina predomina na Ásia. Medidas disciplinares radicais são mais fáceis de ser adotadas lá do que na Europa, porque são vistas menos como limitações aos direitos individuais e mais como um cumprimento das obrigações coletivas.

As necessidades individuais são suspensas em favor do interesse de todos. Além disso, asiáticos são mais obedientes que europeus. Países como China e Singapura possuem regimes autocráticos. Há algumas décadas, predominavam na Coreia do Sul e em Taiwan relações autocráticas.

Regimes autoritários ensinam as pessoas a serem sujeitos disciplinados e obedientes. Todas essas peculiaridades dos asiáticos provam ser vantagens do sistema em conter a epidemia.

Os asiáticos superam o vírus com dureza e disciplina inimagináveis ​​para os europeus. Suas medidas rigorosas lembram a agora esquecida sociedade disciplinar dos tempos da peste bubônica na Europa.

Segundo Naomi Klein, o choque cria um momento favorável ao estabelecimento de um novo sistema de regras.

Viktor Orbán, por exemplo, olha com inveja para estados autocráticos na Ásia. Ele não confia na Europa.

Por lá, em meio à pandemia, uma lei de emergência de duração ilimitada foi aprovada. Devemos temer um retorno, devido à epidemia, à sociedade disciplinar e vigiada que abandonamos no passado?

O vírus está deixando o liberalismo e individualismo ocidental obsoleto? Ou a epidemia incontrolável com incontáveis ​​mortes é o preço da liberdade que temos que aceitar?

Byung-Chul Han leciona na Universidade de Artes de Berlim. O filósofo sul-coreano é autor de "A sociedade do Cansaço" e "A Sociedade da Transparência", entre outros, publicados no Brasil pela editora Vozes.  Tradução de Arthur Cagliari

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.