Descrição de chapéu Coronavírus

Singapura perde controle da pandemia e anuncia bloqueio total de um mês

Cidade-estado tenta manter bons exemplos de restrições contra vírus no continente asiático

Singapura | Reuters

Singapura havia recebido elogios por ter conseguido conter a propagação do novo coronavírus em seu território. Mas, a partir desta terça-feira (7), a cidade-estado entrará em bloqueio total por um mês, após um aumento nos casos da Covid-19.

Apenas as empresas que prestam serviços essenciais, como assistência médica, alimentos e serviços públicos, funcionarão no próximo mês. Escolas e universidades também serão fechadas e funcionarão online a partir de quarta (8).

Restaurantes e bares receberam a mensagem clara de que, se não pudessem aderir às regras de distanciamento social, seriam fechados compulsoriamente.

De acordo com dados compilados pela universidade americana Johns Hopkins, Singapura registra até esta terça (7) 1.375 casos e seis mortes. No sábado (4), a cidade-estado registrou 120 novos casos, seu recorde diário desde o início da pandemia.

Homem caminha em rua vazia com lojas fechadas em Singapura - Roslan Rahman - 7.abr.20/AFP

Desde que o surto iniciado em Wuhan, na China, tornou-se uma pandemia, escolas e empresas em Singapura estavam abertas, mas participavam de uma campanha de conscientização pública sobre distanciamento social considerada altamente bem-sucedida.

Mas uma segunda onda de transmissões locais do vírus e de residentes que retornaram a Singapura do exterior provocou um aumento de dez vezes em novos casos nas últimas semanas.

Os números levaram o primeiro-ministro Lee Hsien Loong a admitir que as medidas de contenção do novo coronavírus não eram suficientes. "São notícias preocupantes, mas já esperávamos essa possibilidade", disse ele em um post no Facebook no domingo (5).

Em um mesmo dia, quase 20 mil homens estrangeiros foram isolados por 14 dias em dois dormitórios de trabalhadores migrantes após um surto repentino. Dos 120 novos casos registrados no sábado, apenas quatro foram importados, de acordo com o Straits Times, jornal de Singapura.

O êxito inicial da Ásia em lidar com a pandemia parece se dar não só porque a região foi a primeira a ser atingida, mas por um tripé formado pela cultura de valorização do coletivo sobre o indivíduo, estruturas avançadas de monitoramento de doentes e uso de inteligência artificial para detectar casos suspeitos.

O continente asiático, de maneira geral, tem tido sucesso em enfrentar o primeiro momento da pandemia, mas agora se equilibra em uma corda bamba, com vários países da região tomando medidas para conter uma segunda onda de contaminação.

Além do bloqueio anunciado por Singapura, a Coreia do Sul ampliou por duas semanas as medidas de distanciamento social e impôs recentemente uma quarentena obrigatória para estrangeiros, que devem permanecer em instalações do governo por 14 dias após desembarcarem no país.

A ideia da quarentena é evitar a reintrodução do coronavírus em regiões que, aparentemente, controlaram o pior momento do surto.

Singapura e Coreia do Sul têm, por enquanto, algumas das menores taxas de letalidade por coronavírus no mundo, de 0,07% e 1,69%, respectivamente.

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.