Descrição de chapéu Financial Times

Substituto interino de Boris, secretário ambiciona liderança do Partido Conservador britânico

Dominic Raab exerce parte das funções de primeiro-ministro, que está com coronavírus na UTI

Laura Hughes
Londres | Financial Times

Dominic Raab, 46, assumiu ostensivamente a chefia do governo britânico, enquanto Boris Johnson está na UTI, combatendo o coronavírus. Mas não está claro exatamente quanto poder será exercido pelo secretário de Assuntos Externos (cargo equivalente a de ministro).

Michael Gove, ministro-chefe do gabinete, negou-se a explicitar nesta terça-feira (7) se Raab, que, como primeiro-secretário de Estado é o substituto designado do primeiro-ministro, vai exercer as funções executivas plenas.

“O primeiro-ministro sempre continua sendo o primeiro-ministro”, disse Gove ao programa “Today” da BBC na manhã de terça. Antes de ser colocado na UTI, Boris pedira a Raab atuar formalmente como seu vice “quando necessário” enquanto ele combate o coronavírus.

Dominic Raab, secretário das Relações Exteriores britânico, durante entrevista coletiva em Londres - Pippa Fowles - 6.abr.20/Xinhua

Não é de hoje que o secretário do Exterior tem a ambição de liderar o Partido Conservador, mas ele parecia estar visivelmente em choque na noite de segunda-feira quando lhe foi pedido que assumisse o lugar de Boris.

Na disputa pela liderança do Partido Conservador, no ano passado, Raab travou uma campanha antiestablishment, prometendo promover um brexit “duro”, sem acordo, e “um Reino Unido mais justo”.

Isso incluiu a promessa de fechar o Parlamento para impedir deputados de obstruírem o brexit sem acordo, que desencadeou a disputa pela liderança conservadora e atraiu críticas acirradas do então presidente da Câmara dos Comuns, John Bercow.

Mas Raab foi eliminado no segundo turno da disputa, depois de ficar em último lugar, com 30 votos.

Casado e com dois filhos, Raab é filho de pai judeu tcheco que se radicou no Reino Unido depois de fugir do nazismo, logo antes do início da Segunda Guerra Mundial.

Tendo estudado direito na Universidade Oxford e feito mestrado em Cambridge, Raab trabalhou para a firma de advocacia Linklaters, entrando para a Secretaria do Exterior em 2000. Três anos mais tarde, foi enviado a Haia, onde liderou uma equipe que levava criminosos de guerra a julgamento.

Raab deixou o ministério em 2006 para ser chefe de gabinete do então secretário do Interior do gabinete sombra da oposição, David Davis, eurocético convicto.

Em 2010, Raab foi eleito deputado pelo distrito parlamentar de Esther and Walton. Ele conservou a cadeira por margem estreita na eleição de dezembro passado, com uma maioria muito reduzida de apenas 2.743 votos.

Em 2015, após a vitória eleitoral dos conservadores, ele teve seu primeiro cargo ministerial, no governo de David Cameron. Raab tornou-se ministro júnior da Justiça, mas permaneceu pouco mais de um ano no cargo, não tendo conseguido conservar seu posto sob a então nova primeira-ministra, Theresa May, após a renúncia de Cameron na esteira do voto a favor da saída britânica da União Europeia.

Sua carreira política foi ressuscitada por May após a eleição de 2017, quando Raab voltou ao gabinete como secretário de Justiça, antes de passar para a pasta da Habitação.

No ano seguinte ele foi nomeado secretário do Brexit, mas ficou menos de quatro meses no cargo, renunciando em novembro de 2018 depois de dizer que não podia apoiar o acordo de retirada da UE aprovado pelo gabinete.

Raab é faixa preta de caratê e tem reputação de ser altamente disciplinado. Seus assessores dizem que ele procura praticar corrida diariamente quando está fora do país a trabalho e que exige relatórios altamente detalhados de seus assessores.

Em seu papel de secretário do Exterior, Raab liderou a resposta do governo britânico ao assassinato pelos EUA do general iraniano de alta patente Qassem Soleimani, além do esforço diplomático para repatriar centenas de milhares de britânicos que estavam no exterior e com dificuldades de retornar devido ao coronavírus.

Tradução de Clara Allain

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.