Descrição de chapéu Governo Trump

Trump ameaça decretar recesso do Congresso para concluir nomeação de aliados

Prerrogativa prevista na Constituição nunca foi exercida por nenhum presidente

Washington | Reuters

O presidente americano, Donald Trump, ameaçou nesta quarta-feira (15) forçar o Congresso a entrar em recesso para que seus indicados a cargos no governo possam tomar posse sem receber o aval do Legislativo.

O republicano afirmou que está frustrado com o fato de os parlamentares não estarem conduzindo as sessões legislativas em Washington, o que impede a nomeação de juízes e de outros quadros da administração que dependem de sabatinas e votações no Senado.

"O fato de deixarem a cidade enquanto conduzem sessões falsas e formais é um abandono de seus deveres, algo que o povo americano não pode arcar com essa crise", disse Trump, irritado, durante a entrevista coletiva diária da Casa Branca sobre a crise do coronavírus.

Trump afirmou que seus indicados ajudariam na resposta à pandemia, mas não deu detalhes sobre qual seria o papel deles.

Donald Trump responde a perguntas durante entrevista coletiva diária na Casa Branca, em Washington
Donald Trump responde a perguntas durante entrevista coletiva diária na Casa Branca, em Washington - Leah Millis/Reuters

Essa prerrogativa constitucional nunca foi exercida por nenhum presidente americano. O texto prevê que o líder do Executivo pode forçar tanto Câmara quanto Senado a entrarem em recesso caso as duas casas não consigam chegar a um acordo sobre uma data.

Depois de lamentar que alguns indicados estejam esperando meses para terem suas nomeações concluídas, Trump reconheceu que tal medida seria questionada no Judiciário, mas afirmou que estava certo de sua vitória. Um processo dessa natureza duraria meses.

A indicação de Trump de conservadores para cargos de juízes federais é uma parte importante de seu apelo aos eleitores republicanos, cujo apoio ele precisa para ser reeleito em novembro.

O líder da maioria no Senado, Mitch McConnell, discutiu a questão com Trump nesta quarta e afirmou que buscará maneiras de aprovar os nomes daqueles considerados essenciais para conter a pandemia.

No entanto, sob as regras do Senado, será necessário obter o consentimento de Chuck Schumer, líder da minoria democrata na Casa.

Os parlamentares estão fora de Washington desde meados de março, quando autoridades e especialistas começaram a recomendar que a população ficasse em casa para evitar a propagação do vírus.

O Senado e a Câmara dos Deputados anunciaram planos de retornar à capital em 4 de maio. Antes da pandemia, já havia férias planejadas para duas semanas em abril por causa dos feriados da Semana Santa.

Erramos: o texto foi alterado

Chuck Schumer, líder da minoria democrata no Senado dos EUA, foi incorretamente identificado como presidente da Câmara. O texto foi corrigido.

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.