Descrição de chapéu Governo Trump

Trump pretende demitir inspetor de inteligência que foi chave em impeachment

A comitês do Congresso, presidente dos EUA diz ter perdido a confiança no funcionário

São Paulo

O presidente dos EUA, Donald Trump, avisou os comitês de inteligência do Congresso americano que pretende demitir o inspetor-geral de inteligência que teve papel fundamental no processo de impeachment do republicano, segundo publicou o New York Times nesta sexta-feira (3).

Michael Atkinson levou a legisladores a denúncia anônima do telefonema entre Trump e o presidente da Ucrânia, Volodimir Zelenski, estopim para o pedido de afastamento do presidente americano.

Michael Atkinson, inspetor-geral de inteligência dos EUA, ao deixar reunião no Capitólio, em outubro de 2019
Michael Atkinson, inspetor-geral de inteligência dos EUA, ao deixar reunião no Capitólio - Mark Wilson - out.19/Getty Images North America/AFP

Em carta enviada para os líderes dos dois comitês de inteligência do Congresso dos EUA, o republicano justifica a demissão dizendo que perdeu a confiança no inspetor-geral, sem dar mais explicações. Para removê-lo do cargo, o presidente é obrigado a notificar esses comitês de suas intenções e justificativas.

“Como é o caso de outros cargos em que eu, como presidente, tenho o poder de nomear, com conselho e consentimento do Senado, é vital que eu tenha total confiança nos nomeados a inspetor-geral”, escreveu Trump. “Esse não é mais o caso em relação a esse inspetor-geral.”

O processo de impeachment de Trump foi desencadeado pela denúncia anônima de um telefonema, em julho de 2019, do republicano para Zelenksi, no qual ele teria pressionado o presidente da Ucrânia a investigar o filho de um de seus principais adversários, o democrata Joe Biden.

Hunter, filho do pré-candidato à Presidência e possível rival de Trump em 2020, foi integrante do ​conselho de uma empresa de gás ucraniana.

Uma semana antes do telefonema, o presidente americano havia congelado uma ajuda de cerca de US$ 400 milhões para a Ucrânia. A oposição afirma que o republicano usou a verba para pressionar Zelenski a investigar o filho de Biden, o que a Casa Branca nega.

Em 11 de setembro, portanto após a conversa, a verba foi descongelada.

Um agente de inteligência que ouviu a conversa de Trump com o líder ucraniano —um procedimento padrão nos Estados Unidos— alertou as autoridades de forma anônima que o presidente teria colocado em perigo a segurança nacional.

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.