Twitter remove contas com conteúdo pró-governo em vários países

Perfis foram deletados em Honduras, Egito, Arábia Saudita, Indonésia e Sérvia

San Francisco | AFP

O Twitter anunciou nesta quinta-feira (2) que removeu milhares de contas em Honduras, Egito, Arábia Saudita, Indonésia e Sérvia que supostamente recebiam instruções de governos ou publicavam conteúdos “pró-governo” em seus perfis.

A empresa diz que deletou 2.541 contas de um jornal egípcio conhecido como El Fagr.

"Esse grupo de mídia criou contas não autênticas para ampliar mensagens críticas a Irã, Qatar e Turquia. As informações que obtivemos externamente indicam que ele recebia instruções do governo egípcio", afirmou o Twitter em seu perfil no site.

Logo do Twitter em um prédio da companhia em São Francisco, na Califórnia, nos EUA - Josh Edelson - 11.mar.2020/AFP

O gerente de edição online da El Fagr, Mina Salah, negou as acusações. "Sim, somos leais ao Estado egípcio, mas não recebemos instruções de ninguém. Estamos apenas defendendo nosso país, e sua posição é clara em relação a Irã, Qatar e Turquia", disse ele à AFP.

Salah disse que o Twitter estava censurando o conteúdo do jornal e que os jornalistas foram proibidos de criar novas contas pessoais.

A plataforma também excluiu 5.350 contas da Arábia Saudita que, de acordo com a companhia, “ampliavam o conteúdo elogiando a liderança saudita e criticavam as atividades do Qatar e da Turquia no Iêmen”.

Grupo de direitos humanos acusam o regime do país de usar o Twitter para espionar dissidentes e críticos do governo.

Em Honduras e na Sérvia, a empresa também removeu perfis de grupos que supostamente propagavam conteúdo para promover os partidos no poder. Na Indonésia, contas foram deletadas por enviarem informações sobre o movimento de independência da Papua Ocidental.

No início desta semana, o Twitter alegou que Jair Bolsonaro havia violado regras da plataforma e excluiu dois de seus tuítes, nos quais o presidente questionava medidas de quarentena contra o novo coronavírus.

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.