Descrição de chapéu Coronavírus

Xenofobia contra africanos na China gera crise diplomática entre Pequim e aliados

Diplomatas reclamaram formalmente do tratamento no país asiático a seus cidadãos

Viçosa (MG) | AFP e Reuters

“Atenção: fomos informados de que, a partir de agora, pessoas negras não têm permissão de entrar neste restaurante.”

A imagem do aviso, pregado na porta de uma loja do McDonald’s na cidade chinesa de Guangzhou, gerou forte reação nas redes sociais e levou a rede de fast-food a pedir desculpas públicas.

Longe de ser um fato isolado, o episódio de discriminação é um dos muitos que vêm sendo relatados por africanos na China durante a pandemia de coronavírus. Os casos provocaram uma crise diplomática entre o país asiático e seus aliados na África.

Da mesma forma que chineses têm sido alvo de preconceito em outros países desde o início da crise de Covid-19, nos últimos dias diversos imigrantes na China divulgaram vídeos nas redes sociais e deram entrevistas à imprensa internacional contando que estão sendo barrados em estabelecimentos, agredidos pela polícia, obrigados a fazer quarentena e exames, expulsos de casas que alugam há anos e recusados por todos os hotéis onde tentam se hospedar. Alguns são obrigados a dormir na rua.

Pessoas em rua do distrito conhecido como 'Little Africa', em Guangzhou, na China
Pessoas em rua do distrito conhecido como 'Little Africa', em Guangzhou, na China - Fred Dufour - 2.mar.18/AFP

Muitos desses depoimentos vêm de Guangzhou, cidade no sul da China que concentra a maior parte dos africanos que vivem no país. Desde 4 de abril, dos 4.553 africanos que realizaram exames na cidade para saber se foram infectados pelo vírus, 111 tiveram resultado positivo, informou a agência Xinhua.

Relatos de racismo contra negros na China não são novidade. Mas agora um elemento novo amplifica as tensões existentes: com a transmissão local do coronavírus mais controlada, as autoridades implantaram medidas para barrar uma segunda onda de contágio trazida por viajantes.

Isso despertou medo e um sentimento xenófobo em parte da população —mesmo que 90% dos casos importados tenham sido trazidos por chineses ao retornar de outros países, segundo o próprio governo, que proibiu no fim de março a entrada da maioria dos forasteiros em território chinês.

Estrangeiros brancos e de outros países também denunciaram episódios de hostilidade, e há vídeos de europeus impedidos de entrar em restaurantes e farmácias, entre outros relatos em cidades como Pequim e Xangai.

Em Guangzhou, porém, a discriminação parece ser mais seletiva. Um trabalhador do Partido Comunista confirmou à agência de notícias Reuters que foi ordenada uma quarentena específica para negros na cidade, e, segundo uma agente imobiliária, atualmente novos contratos de aluguel não são feitos para nenhum estrangeiro.

Entretanto, ainda de acordo com a agente, quando a pandemia passar, os brancos serão bem-vindos, enquanto os negros não devem ser mais aceitos.

Perto dali, em Shenzhen, um senegalês contou à CNN que foi obrigado a ir a um hospital fazer teste para Covid-19, mas sua esposa, canadense, não precisou ir, pois foram informados de que apenas africanos estavam sendo examinados.

O canal americano entrevistou imigrantes dos EUA e do Reino Unido na região, que disseram não ter notícia de ninguém de sua nacionalidade que tenha sido levado para testes forçados ou expulso de casa.

Dois casos divulgados em meios de comunicação estatais contribuíram para a hostilidade dos moradores da região com a comunidade africana: cinco nigerianos com resultado positivo no teste de Covid-19 teriam violado a quarentena e infectado a dona de um restaurante e sua filha de oito anos.

Outro nigeriano infectado foi acusado de agredir uma enfermeira ao tentar escapar da quarentena em um hospital.

Depois disso, as autoridades aumentaram de baixo para médio o risco de contaminação em dois bairros da chamada Little Africa, onde eles viviam. E, mesmo sem ordem formal para isso, donos de imóveis começaram a expulsar os africanos.

Entre os relatos, um casal nigeriano foi avisado de que teria uma hora para sair do flat onde morava. Quando se recusou, teve a água e a luz cortadas.

Também despejado, um estudante de 19 anos da Costa do Marfim deu entrevista à Reuters desesperado porque nenhum hotel o aceitava e não queria dormir na rua mais uma noite.

No último sábado (11), o consulado dos EUA em Guangzhou alertou a afro-americanos que evitassem viajar para a cidade.

A nota diz que a polícia ordenou que bares e restaurantes não sirvam clientes de origem africana.

“Além disso, autoridades locais estão fazendo exames obrigatórios de Covid-19, seguidos por auto-quarentena obrigatória, para qualquer um com ‘contatos africanos’, sem levar em conta o histórico de viagem ou quarentenas cumpridas previamente.”

Líderes e diplomatas de países africanos reclamaram formalmente do tratamento da China a seus cidadãos. O ministro das Relações Exteriores da Nigéria recebeu o embaixador chinês para dizer que a situação é “inaceitável” e exigir uma “ação imediata”.

O de Gana fez o mesmo com o representante da China no país. A União Africana solicitou ao governo chinês que "tome medidas corretivas imediatas".

O caso é delicado para Pequim, que se tornou o principal parceiro comercial da África na última década, com companhias estatais assinando centenas de contratos de infraestrutura no continente.

Com a pandemia, o setor da saúde se tornou um novo instrumento diplomático para a China, que doou milhões de máscaras, kits para realizar diagnósticos e roupas de proteção a países africanos no último mês.

Diante dessa pressão, Pequim rejeitou qualquer "racismo" e prometeu "melhorar" o tratamento aos imigrantes. Na segunda (13), 20 embaixadores africanos foram recebidos no ministério das Relações Exteriores para abordar o assunto.

Na terça, a mídia chinesa mostrou funcionários com roupas de proteção entregando comida e flores a africanos que estão de quarentena em casa.

"Os amigos africanos serão tratados de forma justa e amigável na China”, disse o ministro das Relações Exteriores chinês.

Ele prometeu afrouxar o controle sobre africanos, restringindo-o aos que estiveram no exterior ou tiveram contato com pacientes de Covid-19.

'Ele cuspiu em mim', diz brasileira na China

Moradora de uma cidade de 1 milhão de habitantes na China —considerada pequena para os padrões do país—, a professora de português Ellen Nuno, 32, estava acostumada a ser abordada com simpatia pelos chineses.

“Para eles é uma alegria ver um estrangeiro. Eles pedem para tirar foto, eu sempre digo que tudo bem."

No último mês, porém, ela teve uma experiência diferente ao viajar para Xangai para regularizar um documento.

Na estação, um senhor olhou para ela, chamou-a de “estrangeira” e cuspiu em seu pé. Pouco antes, na viagem de trem-bala, ela já tinha estranhado quando um homem levantou do banco ao seu lado assim que ela se sentou.

“O rapaz olhou para mim com cara de medo, falou ‘estrangeira’ e saiu. O trem estava lotado, e eu passei a viagem inteira sem que ninguém se sentasse ao meu lado”, conta.

Ellen mora na China há três anos e é casada com um chinês. Ela gravou um vídeo em seu canal do YouTube relatando a experiência.

“Não fiquei com raiva do menino do trem porque entendi que ele estava assustado. Mas esse senhor que cuspiu no meu pé me deixou com muita raiva. Isso é xenofobia. Não podemos ter esse tipo de ato com chineses nem eles com ninguém de outra nacionalidade”, afirma.

Segundo ela, outros brasileiros que vivem no país relatam situações como essa. “Nas cidades pequenas continuamos sendo bem tratados, mas nas grandes está ocorrendo preconceito contra estrangeiros.”

Na mesma viagem para Xangai, ela conta que um amigo angolano foi proibido de entrar em um restaurante de uma rede americana de fast-food. “Não queriam que ele entrasse. Neste momento de pandemia o racismo se intensificou, infelizmente.”

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.