Hong Kong registra novos protestos pró-democracia, e polícia prende 200

Detenção de ativistas reacendeu movimento, que havia arrefecido devido à pandemia

Hong Kong | Reuters

Autoridades de Hong Kong prenderam mais de 200 pessoas durante protestos pró-democracia, informou a imprensa local nesta segunda (11), após uma manifestação em um shopping tomar as ruas da cidade.

Centenas de policiais foram acionados para dispersar os ativistas no domingo (10), trazendo à memória as cenas por vezes violentas dos protestos que agitaram durante vários meses no ano passado o território autônomo controlado pela China.

Manifestantes sentados no chão cercados por policiais
Polícia detém grupo de manifestantes durante protesto em Hong Kong - Isaac Lawrence - 10.mai.20/AFP

Diversos veículos de comunicação citaram fontes segundo as quais mais de 200 pessoas foram presas.

A polícia, por sua vez, disse que não podia confirmar os números. As autoridades de saúde disseram que 18 pessoas foram levadas a hospitais da cidade.

Imagens que circulam nas redes sociais mostram policiais empurrando repórteres e usando spray de pimenta para dispersar manifestantes. Há também cenas de ativistas sendo jogados no chão e de pessoas sangrando.

A polícia disse ter detido o parlamentar oposicionista Roy Kwong por “conduta desordeira em espaço público”. Imagens mostram ele sendo derrubado no chão e cercado por policiais.

Ele chegou a ser levado ao hospital.

ONDA DE PROTESTOS

Desde junho de 2019, milhares de moradores de Hong Kong têm participado de protestos contra o que veem como uma ingerência indevida da China continental nos assuntos da cidade. Em várias ocasiões, as manifestações terminaram em violência.

O movimento arrefeceu nos últimos meses, em meio às medidas que proíbem aglomerações para tentar controlar o avanço da pandemia do novo coronavírus. Mas a detenção de ativistas pró-democracia em meados de abril reacendeu a insatisfação popular.

O governo local, alinhado ao regime de Pequim, trata as demandas de seus opositores com desdém e reprime manifestações.

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.