Descrição de chapéu Governo Trump

Trump apela a discurso da ordem para reagir a semana de fúria e crises

Presidente afirma que EUA vão designar antifascistas como organização terrorista

Washington

Donald Trump criminalizou manifestantes, colocou militares à disposição do governador de Minnesota e, no sábado (30), quando os atos se espalharam por mais de 70 cidades americanas, ameaçou usar o "poder ilimitado" das Forças Armadas para conter os protestos contra a morte de George Floyd, homem negro cujo pescoço foi prensado no chão pelo joelho de um policial branco.

O presidente, que dias antes havia assistido aos EUA atingirem 100 mil mortes por Covid-19 e escalado uma guerra contra o Twitter por causa de conteúdo falso e violento em suas postagens, agora passa a vociferar contra manifestantes.

Diante das convulsões sociais que se somaram à crise econômica provocada pela pandemia, Trump decidiu apostar no discurso da ordem, aprofundando a polarização e reforçando mais uma vez o tema que sempre figurou como pano de fundo de sua política eleitoral: o racismo.

O presidente dos EUA, Donald Trump, durante entrevista coletiva na Casa Branca, em Washington
O presidente dos EUA, Donald Trump, durante entrevista coletiva na Casa Branca, em Washington - Olivier Douliery - 24.abr.20/AFP

Toda vez em que há um quadro turbulento, o republicano acena a seus eleitores da direita conservadora.

No ano passado, já havia usado do expediente quando insultou o então deputado democrata Elijah Cummings, que é negro, e as quatro congressistas de oposição conhecidas como “o esquadrão”.

O presidente disse que as deputadas deveriam “voltar e ajudar a consertar os lugares quebrados e infestados de crime de onde vieram” —todas têm cidadania americana— e se referiu à cidade de Baltimore, representada por Cummings, como uma “área nojenta, infestada de ratos e roedores”.

Em 2017, Trump criticou atletas negros que, inspirados no exemplo do ex-quarterback do San Francisco 49ers Colin Kaepernick, protestavam contra a injustiça racial e a brutalidade policial se ajoelhando durante o hino nacional antes dos jogos.

O presidente dizia que os atletas desrespeitavam a bandeira americana e, durante um comício no Alabama, chegou a xingá-los e a pedir a demissão deles.

Agora, seus alvos são mais uma vez a imprensa e o que ele classifica como esquerda radical, anarquistas e organizações terroristas.

Neste domingo (31), publicou em rede social que pretende classificar antifascistas como uma organização terrorista. No entanto, o antifascismo é uma posição política, e não uma entidade ou partido.

Com várias vertentes e definições, o antifascismo tem como cerne o combate a regimes autoritários, geralmente ligados à ultradireita, que costumam defender o culto à personalidade e o racismo.

O maior exemplo do fascismo foi a ditadura de Benito Mussolini (1922-1943), que levou a Itália a lutar na Segunda Guerra ao lado da Alemanha nazista.

Na sexta (29), o presidente já escalava sua postura diante dos atos antirracismo disponibilizando o Exército ao governador de Minnesota. Junto com a oferta, escreveu: "Quando começam os saques, começam os tiros".

O discurso de ordem em momentos de turbulência tem antecedentes. Foi um dos responsáveis pela eleição do também republicano Richard Nixon, em 1968, numa época em que os EUA e o mundo estavam mergulhados em protestos em meio à Guerra do Vietnã e ao assassinato do líder negro Martin Luther King.

O elo das frentes de atuação de Trump é justamente o racismo estrutural que atravessa a história e as instituições americanas, desaguando em disparidades que marcam até hoje o país majoritariamente branco. Entre os 328 milhões de americanos, apenas 13% são negros.

Neste domingo, o assessor de Segurança Nacional dos EUA, Robert O’Brien, disse em entrevista à CNN que “não existe racismo sistêmico” no país. Ele elogiou as forças de segurança e disse que há policiais racistas que devem ser excluídos das corporações.

Ao entrar em embate com o Twitter, no início da semana, Trump dizia, sem provas, que o voto por correio —uma das opções para novembro em meio à crise de coronavírus— pode gerar uma eleição fraudada.

Esse sistema deve ampliar a participação de eleitores, como negros e pobres, por exemplo, o que desagrada o republicano, visto que eles não são grupos que costumam apoiá-lo.

No caso específico de Minneapolis, a maior cidade de Minnesota e uma das recordistas nos EUA em desigualdade racial, é interessante para Trump estimular uma divisão entre negros e brancos.

Nas eleições de 2016, Trump perdeu no estado por pequena margem, com 44,9% dos votos, enquanto a democrata Hillary Clinton chegou a 46,4%.

O líder americano aposta no eleitorado branco, de baixa escolaridade e conservador, enquanto os democratas tentam abarcar negros, jovens e brancos independentes, mais moderados, que votaram em Barack Obama em 2008 e em 2012, mas, em 2016, cansados da política tradicional, preferiram o republicano.

Entre os democratas, portanto, o impacto dos protestos também tem sido observado com cautela.

Virtual adversário de Trump na eleição presidencial, Joe Biden tem criticado a reação do republicano frente aos protestos e defendido reformas nas forças policiais.

Com Obama como seu principal cabo eleitoral, o ex-vice-presidente tem o apoio dos negros democratas, mas precisa motivá-los a votar no dia da eleição geral, uma vez que o voto não é obrigatório nos EUA.

Ficar ao lado dos manifestantes parece a receita mais simples para isso, além de poder conquistar parte dos jovens mais progressistas que preferiam Bernie Sanders e ainda são resistentes a Biden.

O democrata, no entanto, precisa também do apoio de eleitores independentes, na sua maioria branca, e terá que equilibrar o discurso para conquistá-los.

A condução errática da pandemia fez com que Trump perdesse popularidade, e Biden tem liderado as pesquisas nacionais e nos estados considerados chave para disputa, como Pensilvânia e Wisconsin.

Segundo levantamento divulgado pelo jornal Washington Post em parceria com a ABC News neste sábado, Biden abriu vantagem de dez pontos percentuais sobre Trump em todo o país.

O democrata tem 53%, enquanto o republicano aparece com 43%. A última aferição, feita em março, mostrava Biden com 49% ante 47% de Trump.

Insuflar que seus apoiadores estejam nas ruas no momento em que os protestos antirracistas ganham força nos EUA é parte da tática polarizante de Trump para tentar reverter a desvantagem.

A campanha iniciada pelo presidente após o episódio de Floyd está enraizada na divisão entre negros e brancos e na ótica de enxergar minorias como causa de grande parte dos problemas americanos.

Trump sabe que precisa ao menos repetir o desempenho de 2016 para se manter na Casa Branca, e esse é um plano que não inclui eleitores negros do país.

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.