Descrição de chapéu Eleições EUA 2020

Biden garante maioria para ser candidato democrata à Presidência dos EUA

Ex-vice-presidente atingiu número de delegados necessários para concorrer à Casa Branca

Nova York | Reuters

Joe Biden, 77, garantiu, na noite desta sexta-feira (5), o número de delegados necessários para ser o candidato do Partido Democrata à Presidência dos Estados Unidos.

Assim, o ex-vice-presidente deve ter a candidatura oficializada durante a convenção nacional da legenda, marcada para agosto.

Biden já era considerado, na prática, o nome democrata para disputar o cargo com o atual presidente, Donald Trump, nas eleições de novembro.

Para assegurar a indicação do partido, um candidato precisa do apoio de, no mínimo, 1.991 delegados.

Biden ultrapassou esse número após a divulgação dos resultados das primárias de sete estados e do Distrito de Columbia, realizadas na terça-feira (2).

O ex-vice-presidente Joe Biden durante entrevista coletiva
O ex-vice-presidente Joe Biden durante entrevista coletiva - Mike Blake/Reuters

A conquista era uma formalidade, já que o principal rival de Biden, o senador Bernie Sanders, desistiu da disputa em abril. Ao todo, o partido teve mais de 20 pré-candidatos, que foram desistindo à medida que suas chances iam diminuindo.

“Foi uma honra competir com um dos grupos de candidatos mais talentosos que o Partido Democrata já teve —e tenho orgulho de dizer que nós vamos para estas eleições gerais como um partido unido”, declarou Biden.

“Vou passar todos os dias entre agora e o dia 3 de novembro lutando para ganhar os votos dos americanos de todas as partes deste grande país para que, juntos, possamos ganhar a batalha pela alma desta nação e garantir que, enquanto reconstruímos nossa economia, todo mundo esteja conosco.”

Biden foi senador por três décadas e vice-presidente durante a administração de Barack Obama. Ele prometeu escolher uma mulher para fazer parte da chapa dele, na vaga de vice-presidente.

Quando anunciou sua pré-candidatura, em abril de 2019, Biden já era apontado como um dos favoritos na disputa.

No início das primárias, porém, seu desempenho foi irregular. Na primeira etapa, disputada em 3 de fevereiro em Iowa, ele terminou em quarto lugar.

Biden começou a virar o jogo no final do mês, ao vencer as primárias na Carolina do Sul, impulsionado principalmente pelo seu bom desempenho entre eleitores negros.

O resultado fez o ex-vice-presidente receber uma série de apoios de ex-adversários na disputa. Na Super Terça, data determinante para o processo eleitoral americano, Biden venceu em 10 dos 14 estados onde foram realizadas eleições primárias, consolidando-se como o favorito na disputa.

Pouco mais de um mês depois, Sanders desistiu da campanha e declarou apoio a Biden, na prática encerrando a disputa.

Para se tornar oficialmente o candidato democrata, Biden ainda precisa ter seu nome confirmado na convenção nacional do partido, marcada para ocorrer entre 17 a 20 de agosto, em Milwaukee.

O evento, considerado um dos maiores do calendário eleitoral americano, estava originalmente agendado de 13 a 16 de julho, mas foi postergado devido à propagação do novo coronavírus. Os EUA são o país com o maior número de casos confirmados e mortes provocadas pela Covid-19 no mundo.


Próximas datas da eleição americana

17 a 20.ago Partido Democrata realiza convenção nacional; evento deve oficializar a candidatura de Joe Biden

24 a 27.ago Republicanos realizam convenção para confirmar Donald Trump como candidato do partido na disputa

3.nov Data marcada para a eleição americana

20.jan.21 Posse do novo governo em Washington

Erramos: o texto foi alterado

Uma versão anterior deste texto identificou incorretamente Joe Biden como ex-presidente dos EUA. Ele é ex-vice-presidente do país. 

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.