Descrição de chapéu Coronavírus

Países europeus criam rankings de visitantes mais ou menos seguros

Viagens dentro do bloco começam a ser liberadas; fronteiras continuam fechadas para não europeus até ao menos 15 de junho

Bruxelas

Países europeus que começam a preparar a abertura de fronteiras estão criando rankings de países mais ou menos seguros e determinando restrições para visitantes de locais em que o coronavírus representa mais risco.

Fechados para viajantes de fora ao menos até 15 de junho, os 27 membros da União Europeia mais quatro países da zona Schengen (Islândia, Liechtenstein, Noruega e Suíça) ainda não têm planos para receber residentes de fora dessa área.

Funcionários andam por saguão vazio de aeroporto em Berlim - Fabrizio Bensch - 26.mai.2020/Reuters

Critérios para limitar a entrada de quem venha de locais em que a pandemia não está controlada, como o Brasil, podem ser adotados também quando as fronteiras externas forem reabertas.

No dia 24 de maio, os Estados Unidos proibiram a entrada de não americanos que tenham estado no Brasil nos 14 dias anteriores à viagem.

O governo tcheco dividiu os países europeus em três categorias de risco, de acordo com o controle da pandemia de coronavírus.

Atualmente, os residentes tchecos podem ir para Eslováquia, Áustria e Hungria, mas precisam voltar dentro de 48 horas.

A partir de 15 de junho, além desses três países, Alemanha, Polônia, Grécia e Croácia serão considerados de baixo risco. Residentes tchecos podem viajar para eles sem restrições, e a entrada a partir desses países também está liberada.

No caso de países considerados de risco médio —Itália, Espanha, França, Bélgica e Irlanda—, viajantes precisam comprovar que não estão infectados para entrar na República Tcheca. Os tchecos, porém, podem ir a esses destinos sem restrições.

Reino Unido e Suécia foram os dois únicos países classificados como de alto risco. Tchecos que retornam desses países devem apresentar um resultado negativo para coronavírus para ter a entrada permitida.

Na semana passada, a Suécia, que não impôs restrições drásticas à mobilidade durante o combate ao coronavírus, também acabou punida na decisão de Dinamarca e Noruega de reabrir suas fronteiras no próximo mês.

Os dois países nórdicos afirmaram que a partir de 15 de junho vão receber turistas da Escandinávia (e a Dinamarca, também da Alemanha), mas suecos ainda estão proibidos de entrar.

Nesta quarta (3), o governo alemão retira as restrições de viagem para outros países europeus, segundo anúncio do Ministério das Relações Exteriores.

A Alemanha passará a fornecer aos viajantes informações detalhadas sobre a situação em cada país, indicando quais regiões devem evitar.

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.