Descrição de chapéu Coronavírus Portugal

Portugal volta a apertar restrições em Lisboa para evitar expansão do coronavírus

Limite de reuniões recua de 20 para 10 pessoas, e bares e lojas terão que fechar às 20h na capital

Bruxelas

Para evitar que a transmissão de coronavírus volte a crescer, Portugal deu um passo atrás em sua retomada das atividades: em Lisboa, o limite para reuniões de pessoas foi novamente reduzido para no máximo 10. No resto do país, continua valendo a regra mais leve, que permite reuniões de 20 pessoas.

Além disso, lojas, cafés e bares terão que fechar às 20h em toda a região metropolitana da capital portuguesa. Segundo o premiê, António Costa, o objetivo da medida, que começou a valer a partir da 0h desta segunda (22), é coibir festas e outras aglomerações que colocam em risco a saúde pública.

No último mês, o país registrou 9.221 novos casos da doença, a maioria dos quais em Lisboa e no vale do Tejo.

Pessoas com máscaras assistem a filme em sala de cinema em Lisboa
Pessoas com máscaras assistem a filme em sala de cinema em Lisboa - Patricia de Melo Moreira - 1º.jun.20/AFP

O primeiro-ministro também afirmou que o governo tomará outras medidas pontuais em regiões específicas em que a incidência do coronavírus é maior. Entre elas, fortalecer a coordenação entre governos locais e o Ministério da Saúde para que notificações sobre a epidemia sejam mais rápidas.

Nas últimas semanas, o surgimento de novos focos de coronavírus em países europeus tem levado os governos a reimplantar algumas das restrições que haviam sido retiradas.

Na Alemanha e na Grécia houve reintrodução de quarentenas em regiões ou edifícios específicos, a Bélgica fechou de novo algumas escolas, e a Espanha acompanha de perto algumas dezenas de novos focos.

Maria van Kerkhove, líder técnica da OMS (Organização Mundial da Saúde), disse, nesta segunda (22), que a organização tem acompanhado o surgimento de novos focos de coronavírus principalmente em lugares fechados, como dormitórios e indústrias.

Segundo ela, a volta de restrições e o aumento da vigilância são indicados para evitar um crescimento do contágio.

“Sempre que tiver uma chance, o vírus vai se espalhar. Os países devem ser capazes de isolá-los para que focos não virem surtos, e surtos não virem transmissão comunitária”, disse Van Kerkhove.

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.