Coreia do Norte registra primeira suspeita de Covid-19, diz agência estatal

Autoridades norte-coreanas antes afirmavam que não havia nenhum caso de coronavírus no país

Seul | Reuters

O ditador da Coreia do Norte, Kim Jong-un, convocou uma reunião extraordinária de seu partido neste sábado (25) para discutir "uma emergência que ocorreu na cidade de Kaesong", informou a agência de notícias estatal KCNA.

Segundo o órgão, uma pessoa que havia desertado para a Coreia do Sul três anos atrás voltou para o país cruzando ilegalmente a fronteira e está com suspeita de Covid-19.

Caso seja confirmado, será o primeiro caso reconhecido oficialmente pelas autoridades norte-coreanas, que, até agora, dizem que o país não tem nenhum caso de coronavírus.

Kim declarou estado de emergência e impôs um "lockdown" na cidade de Kaesong, na fronteira com a Coreia do Sul, afirmando tratar-se de "uma situação crítica em que o vírus cruel poderia ter entrado no país", segundo a KCNA.

Ditador norte-coreano Kim Jong Un participa de reunião de emergência na Coreia do Norte.
O ditador norte-coreano, Kim Jong-un, participa de reunião de emergência para discutir possível caso de Covid-19 no país - AFP

A agência estatal informou que a pessoa fez exames, que "deram resultados incertos", e foi colocada em quarentena. Todos os que tiveram contato com ela serão investigados.

A Coreia do Norte recebeu milhares de kits de exame de Covid-19 da Rússia e fechou suas fronteiras. Milhares de pessoas estavam em isolamento total, que foi relaxado recentemente.

Nas últimas semanas, as autoridades norte-coreanas intensificaram sua campanha de críticas a desertores que vão para a Coreia do Sul, chamando-os de "escória" e instando Seul a combater grupos que enviam propaganda e alimentos para o norte.

Kim deu ordem para que se conduza uma investigação das unidades militares posicionadas na fronteira onde a pessoa cruzou ilegalmente para "aplicar uma punição severa e adotar as medidas necessárias".

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.