Descrição de chapéu The New York Times

Estratégia bem-sucedida da Tailândia para eliminar Covid-19 intriga especialistas

Pesquisadores estudam se baixo índice de infecções no país está ligado a maior imunidade da população

Bancoc (Tailândia) | The New York Times

Ninguém sabe exatamente por que a Tailândia foi poupada. Será o distanciamento social embutido na cultura tailandesa —o hábito de saudar as pessoas com um “wai”, um movimento de oração, em vez de um abraço— que impediu o coronavírus de propagar-se rapidamente?

A adoção rápida de máscaras, somada a um sistema de saúde robusto, amenizou o impacto do vírus no país? Foi o estilo de vida ao ar livre de muitos tailandeses ou seu índice relativamente baixo de problemas médicos preexistentes?

Existe algum componente genético do sistema imunológico dos tailandeses e de outras populações da região do rio Mekong que os torna mais resistentes ao coronavírus? Ou pode ter sido alguma alquimia de todos esses fatores que protegeu este país de 70 milhões de habitantes?

Uma coisa é certa. Não obstante um influxo de visitantes no início do ano vindos de países fortemente atingidos pelo coronavírus, a Tailândia registrou menos de 3.240 casos da doença até agora e apenas 58 mortes. Até quinta-feira (16), não havia nenhum caso de transmissão local havia cerca de sete semanas.

Pessoas caminham em ponte para pedestres usando máscara de proteção facial
Pessoas caminham em ponte para pedestres no centro de Bancoc, na Tailândia - Mladen Antonov - 8.jul.20/AFP

O baixo índice de infecção parece ser compartilhado por outros países na bacia do rio Mekong. O Vietnã não registrou uma única morte e há cerca de três meses não tem nenhum caso de transmissão comunitária. Mianmar confirmou 336 casos do vírus, o Camboja, 166, e o Laos, apenas 19.

Yunnan, a província do sudoeste da China pela qual passa o rio Mekong antes de serpentear pelo Sudeste Asiático, teve menos de 190 casos da doença. Nenhum dos pacientes continua doente.

“Acho que não é uma questão apenas de imunidade ou genética”, disse Taweesin Visanuyothin, porta-voz do Ministério da Saúde Pública tailandês para a Covid-19. “Tem a ver com a cultura. Nós, tailandeses, não nos tocamos quando nos cumprimentamos.”

“É assim também em outros países da região do Mekong”, acrescentou.

O clima nem sempre foi de tanto otimismo. Em janeiro, a Tailândia confirmou o primeiro caso de coronavírus fora da China –de um turista vindo de Wuhan, a cidade da região central chinesa onde a epidemia teria começado.

Outra onda de infecções foi desencadeada por pessoas vindas do Japão, Europa e Estados Unidos. Um torneio de boxe tailandês acabou virando um evento de superpropagação.

Mas, depois de ser implementado um "lockdown", em março, com o fechamento de empresas e escolas, as transmissões no país diminuíram. Todos os casos recentes na Tailândia envolveram pessoas que chegaram do exterior.

O Dr. Wiput Phoolcharoen, especialista em saúde pública da Universidade Chulalongkorn, em Bancoc, que pesquisa um surto de coronavírus em Pattani, no sul da Tailândia, observou que mais de 90% das pessoas que receberam diagnóstico de Covid-19 eram assintomáticas, uma parcela muito superior ao normal.

“O que estamos estudando agora é o sistema imunológico”, disse ele.

Wiput afirma que os tailandeses e outros povos desta parte do sudeste asiático são mais suscetíveis a certos casos graves de dengue, vírus propagado por um mosquito, que as pessoas de outros continentes.

“Se nosso sistema imunológico é tão fraco contra a dengue, por que não poderia ser melhor contra a Covid?”, disse.

Embora os hospitais tailandeses não tenham ficado sobrecarregados com pacientes com coronavírus, a economia do país, dependente do turismo, foi fortemente prejudicada.

Em abril, em meio a um "lockdown" intensificado, a Tailândia proibiu quase todos os voos vindos para o país. Turistas deixaram de vir a Bancoc, no passado a cidade mais visitada do mundo.

O Ministério do Turismo e dos Esportes tailandês estima que 60% das empresas do setor de hospitalidade podem fechar até o final do ano.

O Fundo Monetário Internacional prevê que a economia tailandesa vai encolher pelo menos 6,5% este ano. Mais de 8 milhões de tailandeses podem perder seus empregos ou renda em 2020, segundo o Banco Mundial, isso em um país onde o abismo entre ricos e pobres já é grande.

As famílias tailandesas têm um nível de endividamento que está entre os mais altos da Ásia. As pessoas em situação mais desesperadora fazem fila diante de templos budistas para receber arroz.

Quando uma entrega prometida de recursos governamentais emergenciais atolou em burocracia, uma mulher engoliu veneno de ratos diante de uma repartição pública. Ela sobreviveu, mas os suicídios vêm aumentando no país.

A entidade beneficente Covid Thailand Aid, criada na esteira da pandemia, vem sendo inundada de pedidos de ajuda de tailandeses aos quais só restaram US$ 1 ou US$ 2 em suas contas bancárias, contou uma das fundadoras da entidade, Natalie Narkprasert.

A grande população de trabalhadores migrantes no país, muitos vindos dos vizinhos Mianmar e Camboja, também passa por dificuldades.

Algumas pessoas conseguiram voltar para seus países antes do fechamento das fronteiras, mas outras estão presas na Tailândia sem salários, tendo perdido seu trabalho como faxineiras de hotel, ajudantes de cozinha ou operadores de barracas de comida.

“As pessoas estão precisando de ajuda agora. A situação já se arrasta há tanto tempo, e não vai melhorar”, disse Natalie.

O clima de normalidade retornou recentemente ao país. As escolas reabriram as portas, com os alunos usando máscaras e sentados diante de carteiras espaçadas.

E, no início de julho, o primeiro feriadão em meses —as festividades do Ano Novo tailandês, em abril, foram canceladas—, levou o turismo doméstico a retomar algum fôlego.

A Tailândia também está deixando um pequeno número de estrangeiros voltar ao país. Mas a chegada deles é acompanhada pelo risco de contágio.

Nesta semana, um piloto militar egípcio que infringiu a quarentena e foi a shopping centers numa cidade litorânea tailandesa teve resultado positivo para o coronavírus. Algumas escolas da área foram fechadas novamente.

Na quarta-feira, dois ativistas que protestaram contra o modo como o governo lidou com a violação da quarentena foram detidos por infringir o decreto emergencial no país.

Também está sendo questionado por que trabalhadores migrantes que foram deportados da Tailândia receberam o diagnóstico de coronavírus assim que chegaram a seus países, apesar de não terem sido incluídos na contagem tailandesa oficial de casos da doença.

O índice de testes realizado na Tailândia ainda é relativamente baixo.

“Com a doença ainda iminente”, disse Taweesin, o porta-voz do ministro da Saúde, “precisamos continuar em guarda”.

Tradução de Clara Allain

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.