Descrição de chapéu China

Nova Zelândia é mais um país a suspender tratado de extradição com Hong Kong

Medida vem em resposta à lei que aumentou vigilância chinesa na ex-colônia britânica

Wellington | Reuters e AFP

A Nova Zelândia suspendeu nesta terça-feira (28) o tratado de extradição que mantinha com Hong Kong devido à nova lei de segurança nacional aprovada pela China em junho.

Segundo o ministro das Relações Exteriores neozelandês, Winston Peters, o país não pode mais confiar que o sistema de justiça criminal de Hong Kong "é suficientemente independente" do chinês.

"Se a China demonstrar no futuro a conservação da estrutura 'um país, dois sistemas', poderemos reconsiderar nossa decisão", afirmou ele, em referência ao sistema acordado pelo Reino Unido ao devolver a ex-colônia à China, em 1997, que garante liberdades não vistas na parte continental do país asiático, como um sistema judicial independente e mais liberdade de expressão e de imprensa.

O chanceler anunciou ainda que a exportação de equipamentos militares e de tecnologia para Hong Kong terão o mesmo tratamento dado às exportações à China e que a Nova Zelândia alterou as recomendações de segurança para viagens, alertando os cidadãos dos riscos da nova lei de segurança nacional chinesa.

No fim de junho, a China apertou o cerco a Hong Kong por meio da aprovação de uma nova regra que visa coibir atos considerados de secessão, subversão, terrorismo ou conluio com potências estrangeiras contra a ditadura comunista chinesa.

Para ativistas pró-democracia e grande parte da comunidade internacional, entretanto, a lei representa um retrocesso para os direitos dos honcongueses e uma ameaça à liberdade no território. O regime liderado por Xi Jinping nega as acusações e diz que a legislação visa "causadores de problemas".

Também nesta terça, a China anunciou o fim dos acordos de extradição com Austrália, Canadá e Reino Unido, países que já haviam suspendido unilateralmente os pactos, também em protesto à nova lei de segurança nacional.

Hong Kong foi devolvida à China com a promessa de que a região teria condições diferentes das do resto do país até ao menos 2047. Nos últimos anos, porém, o governo de Pequim passou a tomar medidas para reforçar o controle sobre o território semiautônomo.

Em resposta, houve enormes protestos pró-democracia nas ruas, que se estenderam por meses ao longo de 2019. O governo cedeu em algumas demandas, mas os atos foram agregando novas questões.

As manifestações arrefeceram quando a pandemia de coronavírus começou, e o governo chinês usou o momento para impor a nova lei de segurança nacional, que deu amplos poderes a Pequim para procurar, prender e processar ativistas em Hong Kong.

Diversos países questionaram a mudança e tomaram medidas. Os EUA, que vivem uma Guerra Fria 2.0 com a China, encerraram a política de tratamento econômico especial à ex-colônia britânica e lideram o uso da situação de Hong Kong no discurso contra o país asiático no campo dos direitos humanos.

Reações mais duras esbarram na dependência econômica dos países em relação à China.

O país asiático é o maior parceiro comercial da Nova Zelândia, com movimentações anuais de R$ 109 bilhões (US$ 21 bilhões) entre as duas nações, assim como a vizinha Austrália, cujos negócios com a China movimentaram 235 bilhões de dólares australianos (R$ 866 bilhões) em 2019.

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.