Descrição de chapéu Governo Trump China

Em movimento anti-China, Trump põe fim a tratamento especial de Hong Kong

Decreto permite que EUA apliquem ao território mesmas tarifas e exigências praticadas com país asiático

Washington | Reuters

O presidente dos EUA, Donald Trump, afirmou nesta terça (14) que pôs fim ao tratamento especial dado a Hong Kong, uma resposta à imposição chinesa de uma lei de segurança nacional ao território.

Na prática, o decreto assinado por Trump permite que Washington aplique as mesmas tarifas e exigências já praticadas com o restante da China, o que afetaria o comércio entre as duas partes.

Ativistas se reúnem para relembrar o terceiro aniversário da morte do dissidente chinês Liu Xiaobo (à dir.), que foi preso em 2009 e acusado de "incitar subversãodo poder estatal"
Ativistas se reúnem em Hong Kong para relembrar o terceiro aniversário da morte do dissidente chinês Liu Xiaobo (à dir.), preso em 2009 - Anthony Wallace - 13.jul.20/AFP

De acordo com um boletim da Casa Branca, a mudança também atingirá portadores de passaportes do território, que desfrutavam de regras diferentes das oferecidas aos que possuem documentos emitidos pela China continental.

A lei de segurança nacional, de acordo com Pequim, tem como objetivo combater a secessão, a subversão e o terrorismo em Hong Kong e permite que agências chinesas de inteligência montem bases no território.

Assim, a legislação recrudesce o controle de Pequim sobre Hong Kong. A ex-colônia britânica foi devolvida à China em 1997 sob o modelo "um país, dois sistemas", no qual direitos não vistos no continente, como liberdades de expressão, assembleia e imprensa, além de Judiciário independente, eram garantidos.

Nos EUA, segundo uma lei aprovada pelo Congresso em 1992, a relação do país com Hong Kong devia seguir da mesma forma que durante o período de controle britânico.

Uma nova regra aprovada em novembro de 2019, no entanto, obriga o Departamento de Estado dos EUA a informar anualmente ao Congresso se a China está respeitando a autonomia do território. Caso contrário, o governo americano pode interromper o tratamento especial —foi o que aconteceu agora.​

Trump também assinou uma ordem executiva que visa punir a China pelo que chamou de "ações opressivas" contra Hong Kong.

O documento pede sanções contra autoridades chinesas e outras pessoas que atuem para violar a autonomia de Hong Kong e contra instituições financeiras que negociem com indivíduos que participarem de qualquer ato de repressão à cidade-território.

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.