Descrição de chapéu Diplomacia Brasileira

Com Temer, comitiva brasileira leva mantimentos e tenta apaziguar Líbano

Grupo deve se encontrar com presidente libanês; país vive onda de atos contra governo após explosão

São Paulo

Uma missão brasileira liderada pelo ex-presidente Michel Temer (MDB) viajou ao Líbano na manhã desta quarta (12) para enviar insumos e sob promessas de tentar "ajudar a solucionar os embates políticos" do país.

Temer e outros representantes brasileiros, como o presidente da Fiesp (Federação de Indústrias de São Paulo), Paulo Skaf, devem se encontrar com o presidente do Líbano, Michel Aoun, nesta quinta (13), logo após a chegada da comitiva ao Oriente Médio.

O presidente Jair Bolsonaro, ao lado do ex-presidente Michel Temer, em cerimônia antes da partida do avião com ajuda - Nelson Almeida/AFP

O governo libanês enfrenta uma série de protestos após a enorme explosão que destruiu parte de Beirute no último dia 4. Na capital, manifestantes pedem inclusive a saída de Aoun, acusado pela população de ser um dos responsáveis pela tragédia que deixou ao menos 220 mortos.

Os protestos levaram o primeiro-ministro Hassan Diab a anunciar a renúncia coletiva de seu governo.

Com a comitiva, o governo brasileiro envia pelo menos seis toneladas de alimentos, insumos e remédios ao Líbano.

"[Temos] convicção de que lá seremos muito bem recebidos e todos lá [estarão] desejosos de que o Brasil possa exercitar não apenas função humanitária, mas, tendo em vista os vínculos tradicionais entre ambos os países, também possa ajudar a solucionar os embates políticos, com autorização naturalmente das autoridades libanesas", disse Temer, em cerimônia na Base Aérea de São Paulo, em Guarulhos (SP), antes de embarcar.

Segundo ele, sem detalhar, a intenção é "dar a nossa colaboração para a pacificação interna daquele país".

Ao seu lado, o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) também discursou, mas com tom menos político que seu antecessor.

"O mundo atravessa uma pandemia, todos nós sofremos com isso. Quis o destino, lamentavelmente, que nossos irmãos do Líbano fossem acometidos também por esse desastre", afirmou, antes de agradecer os enviados e elogiar a comunidade libanesa no Brasil. Ele saiu sem falar com os jornalistas.

Além de Temer e Skaf, irão ao Líbano outras 11 pessoas, entre políticos, empresários e militares.

Convidado por Bolsonaro a liderar a missão, o ex-presidente teve de pedir à Justiça uma autorização para deixar o país. O pedido foi acatado pelo juiz Marcelo Bretas, responsável pelas decisões da Lava Jato do Rio.

Temer, que é filho de libaneses, responde a sete processos que tramitam no Rio, no Distrito Federal e em São Paulo e chegou a ser preso preventivamente em março de 2019.

Ao deixar a cadeia, ele teve o passaporte retido, uma das condições impostas para sair da prisão. Por duas vezes, em 2019, recorreu a juízes de segunda instância para fazer viagens internacionais.

Na lista da comitiva ao Líbano estão também os senadores Nelsinho Trad (PSD-MS) e Luiz Pastore (MDB-ES).

O grupo deve chegar nesta quinta ao país, onde cumprirá agenda de encontros com autoridades locais do Executivo e do Legislativo. A expectativa é que retorne ao Brasil na sexta (14).

"Eu espero que a gente encontre uma situação tranquila", disse Skaf, antes do embarque. "Se nós pudermos ajudar em alguma coisa para apaziguar os ânimos, e a temperatura está bastante alta lá, vamos pensar em fazer também."

No total, dois aviões da Força Aérea Brasileira partiram para o Líbano. Um deles transporta ventiladores pulmonares, máscaras cirúrgicas, kits de primeiros-socorros e material de construção, além de ao menos 500 cestas básicas e meia tonelada de medicamentos e equipamentos doadas pela Câmara de Comércio Brasil-Líbano. O outro leva a comitiva.

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.