Descrição de chapéu The New York Times

Escolas de NY podem reabrir, mas em outros estados dos EUA ano letivo deve começar remotamente

Aulas presenciais exigem média de testes positivos para coronavírus inferior a 5%

Eliza Shapiro
Nova York | The New York Times

As escolas de Nova York podem reabrir para aulas presenciais nas próximas semanas, disse o governador Andrew Cuomo na sexta-feira (7), confirmando a posição do estado como um dos poucos dos EUA com taxa de transmissão de vírus baixa o suficiente para permitir que as crianças voltem às salas de aula, não apenas nas comunidades rurais, mas também na maior cidade do país.

Poucos meses depois que Nova York se tornou o epicentro global da pandemia, o governador abriu a porta para que milhões de alunos em todo o estado retornem às classes, mesmo que a maioria dos estudantes nas escolas públicas do país comece o ano letivo remotamente.

Mas o anúncio de Cuomo não garante que as escolas nos mais de 700 distritos do estado serão realmente abertas nas próximas semanas. Cabe agora aos políticos e superintendentes locais decidirem se reabrirão e como fazê-lo. Seus planos de reabertura presencial também devem ser aprovados pelos Departamentos de Educação e de Saúde do estado nas próximas semanas.

Criança brinca em escola fechada do Brooklyn, em Nova York - Brendan McDermid -07.ago.2020/Reuters

Segundo o anúncio do governador, as escolas podem decidir reabrir desde que estejam em uma região onde a taxa média de testes positivos para o coronavírus seja inferior a 5% em um período de duas semanas. Esse limite foi recomendado pela Organização Mundial da Saúde para iniciar a reabertura geral e foi recentemente adotado por alguns distritos escolares.

A maior parte do estado, incluindo a cidade de Nova York, mantém uma taxa de testes positivos de cerca de 1%. Nova York calcula sua taxa com base em relatórios de todos os municípios. O prefeito de Nova York, Bill de Blasio, afirmou que as escolas só poderão abrir se o índice for inferior a 3%.

"Todas as escolas podem abrir", disse Cuomo durante uma entrevista coletiva. "Se alguém pode abrir escolas, nós podemos", afirmou ele, acrescentando: "Temos a melhor taxa de infecção do país".

Os governadores de outros estados, incluindo Ron DeSantis, da Flórida, e Greg Abbott, do Texas, foram além de Cuomo, incentivando ativamente os distritos escolares em seus estados a reabrir.

Mas a pandemia está se alastrando nesses estados, levando autoridades de distritos importantes como Miami-Dade e Houston a anunciar que começariam o ano letivo apenas a distância.

O debate sobre a reabertura escolar, no entanto, apresenta ao governador um enigma político do qual pode ser difícil sair ileso. Se a cidade reabrir as escolas, isso poderá afastá-lo dos educadores e do sindicato dos professores, um aliado crucial.

Mas se a cidade interromper ou atrasar seu plano de abertura, poderá deixar mais de 1 milhão de famílias em apuros por causa de creches, e centenas de milhares de crianças de baixa renda, crianças sem-teto e alunos, com deficiência sem aprendizagem presencial durante meses.

Cuomo admitiu essas dificuldades na sexta, dizendo que recebeu um "dilúvio" de ligações de pais e professores preocupados com a reabertura.

"Se os professores não voltarem, não podemos realmente abrir as escolas", disse ele. "Se os pais não mandarem seus filhos, não estaremos realmente abrindo as escolas."

Líderes sindicais que representam professores da cidade de Nova York e do resto do estado deram o alerta sobre a reabertura, dizendo que não acreditam ser seguro dar aulas presenciais em pelo menos algumas áreas do estado. Cuomo tem uma aliança política com Michael Mulgrew, presidente da poderosa Federação Unida dos Professores, que representa a categoria na cidade de Nova York.

Embora seja ilegal os professores fazerem greve em Nova York, Mulgrew recentemente sugeriu uma possível ação legal contra a prefeitura se a cidade reabrir escolas e o sindicato não acreditar que as devidas precauções de segurança foram implantadas.

Na sexta-feira, Mulgrew respondeu ao anúncio do governador com uma declaração grave: "Como observou o governador Cuomo, pais e professores devem estar confiantes de que as escolas estejam seguras antes que possam reabrir. Em Nova York, essa ainda é uma questão em aberto".

Professores com mais de 65 anos e aqueles com doenças preexistentes são elegíveis para isenções médicas que lhes permitirão trabalhar em casa. "Não acho que queremos começar uma batalha jurídica com os professores", disse Cuomo, acrescentando: "Os professores precisam se sentir seguros. Eles não podem ensinar se não se sentirem seguros".

O governador instruiu os distritos a postar publicamente seus planos para testar professores e alunos após o início do ano letivo —uma exigência do sindicato dos professores sobre a qual a prefeitura de Nova York não divulgou detalhes significativos.

O governador disse que todos os distritos devem divulgar informações sobre onde alunos e professores podem fazer testes e com que rapidez os resultados seriam fornecidos.

Protesto contra a reabertura de escolas nas ruas de Nova York
Protesto contra a reabertura de escolas nas ruas de Nova York - Eduardo Munoz - 3.ago.20 /Reuters

Cuomo também pediu a todos os distritos que publiquem seus protocolos para quando alguém em uma escola receber resultado positivo no exame de detecção de Covid-19.

De Blasio traçou o plano da prefeitura sobre a questão na semana passada: apenas dois casos em salas de aula diferentes na mesma escola podem forçar seu fechamento por duas semanas.

E Cuomo disse que os distritos escolares devem realizar mais reuniões virtuais com pais e professores durante o mês de agosto para responder a perguntas.

Cuomo está deixando a maioria dos outros detalhes sobre como reabrir com segurança para cada um dos distritos escolares, que passaram o verão criando planos de reabertura a ser aprovados pelo Departamento de Educação do estado.

Distritos em todo o estado planejam reabrir no final de agosto ou no início de setembro. A cidade de Nova York está programada para começar as aulas em 10 de setembro.

A maioria dos distritos do estado já apresentou seus planos de reabertura, disse Cuomo, embora cerca de 50 das propostas ainda estejam incompletas. A cidade de Nova York recebeu uma prorrogação de duas semanas em seu prazo, e a versão final foi enviada na sexta-feira.

Distritos em todo o estado estão exigindo uso de máscaras e distanciamento social, e muitos propuseram diferentes modelos híbridos que envolveriam grupos de crianças fazerem rodízio nos prédios em dias alternados. Alguns distritos menores planejam trazer os alunos de volta às escolas em tempo integral.

Outras cidades do estado adotaram abordagens diferentes. O superintendente de Buffalo já indicou que talvez prefira atrasar o início do aprendizado presencial até outubro. Cuomo disse na sexta que os distritos podem decidir quando reabrir as escolas, desde que sua taxa de infecção permaneça baixa. Em Syracuse, a maioria dos alunos do ensino médio provavelmente estudará remotamente.

Muitos professores e pais em todo o estado expressaram preocupação sobre o retorno aos prédios escolares, pois o vírus aumentou em outros estados. Mas algumas famílias disseram estar desesperadas para que escolas e creches sejam reabertas, e eles possam voltar a trabalhar.

Cerca de 75% dos estudantes da cidade de Nova York são de baixa renda, e muitos pais são trabalhadores essenciais ou empregados que não podem trabalhar em casa.

Algumas autoridades locais, incluindo De Blasio, indicaram que não podem tomar uma decisão final se reabrirão, mesmo em tempo parcial, até o final deste mês ou no início do próximo.

A cidade de Nova York, com 1,1 milhão de crianças e 1.800 escolas, planeja abrir em um modelo híbrido, no qual as crianças vão à escola um a três dias por semana e estudam online no restante do tempo.

Tradução de Luiz Roberto Mendes Gonçalves 

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.