Ex-presidente do Equador é preso em investigação de corrupção

Abdalá Bucaram anunciou há dois dias intenção de concorrer à Presidência

Buenos Aires

O ex-presidente do Equador Abdalá Bucaram (1996-1997) foi preso na madrugada desta quarta-feira (12) em sua casa, em Guayaquil.

Bucaram, 68, é investigado por corrupção e possível participação no assassinato de um criminoso israelense, Tomer Sheinman, preso em um esquema de compra irregular de remédios.

A prisão ocorre dois dias depois de o político de centro-esquerda anunciar a intenção de concorrer à Presidência nas eleições previstas para fevereiro de 2021.

Imagens exibidas pela TV equatoriana mostram o ex-presidente sendo acordado, apenas de cueca, e expondo a tornozeleira eletrônica que é obrigado a usar desde junho.

Abdalá Bucaram, vestido de camisa social e com um cordão de ouro no pescoço, caminha com outros três homens de terno
O ex-presidente do Equador Abdalá Bucaram (centro), em frente à chancelaria do Panamá durante seu exílio no país centro-americano - Mauricio Valenzuela - 23.out.2013/Xinhua

Nos últimos dias, o processo contra ele ganhou novos ingredientes com a divulgação de um áudio que traz uma conversa com Sheinman, pouco antes do assassinato.

A Procuradoria investiga se Bucaram estava envolvido em tráfico de influências na compra e venda de medicamentos, uma vez que, em depoimento, o israelense teria incriminado Jacobo Bucaram, um dos filhos do ex-mandatário.

Quando foi decretada a prisão domiciliar do ex-presidente, também foi pedida a prisão preventiva dos três filhos dele, suspeitos de integrarem o esquema —todos estão foragidos.

Um deles, Dalo Bucaram, manifestou-se contra a prisão do pai nas redes sociais. Ele afirmou que se trata de "perseguição política" e que não há justificativa por se tratar de "um homem de 70 anos, que já usa tornozeleira eletrônica e se apresenta todos os dias à Procuradoria, por decisão judicial".

A Presidência de Bucaram foi marcada por grande tensão social e protestos. O líder, de estilo populista, propôs uma política de ajustes e enfrentava muita resistência do Congresso, que o destituiu por "incapacidade mental" —embora não tenham sido realizados exames médicos que comprovassem o diagnóstico. Ele acabou exilando-se no Panamá.

Além de Bucaram, outros dois presidentes eleitos de forma democrática foram afatastos do cargo no Equador entre 1996 e 2005 —Jamil Mahuad e Lucio Gutiérrez.

Esse período de grande instabilidade institucional só se acalmou com a eleição de Rafael Correa, que governou o país entre 2007 e 2017.

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.