Itália inaugura nova ponte em Gênova sem presença de familiares das vítimas

Representante de parentes diz não querer que tragédia se torne um carnaval do governo

Gênova (Itália) | AFP

A Itália inaugurou nesta segunda-feira (3) a nova ponte de Gênova, dois anos depois de a antiga ter desabado, numa tragédia que deixou 43 mortos.

A cerimônia não contou com a presença de familiares das vítimas, que a consideram inadequada.

"Não assistiremos à inauguração, não queremos que a tragédia termine em um carnaval", disse Egle Possetti, representante dos familiares das vítimas. Ele perdeu a irmã, o cunhado e dois sobrinhos.

A unidade de acrobacias da Força Aérea italiana durante evento de inauguração da nova ponte em Gênova
A unidade de acrobacias da Força Aérea italiana durante evento de inauguração da nova ponte em Gênova - Miguel Medina/AFP

Aviões da patrulha acrobática da aeronáutica espalharam fumaça com as cores da bandeira italiana e sobrevoaram a construção no momento em que o premiê Giuseppe Conte cortou a faixa inaugural.

A ponte foi construída por várias empresas italianas e consiste em uma estrutura branca com um formato que lembra a parte inferior de um barco, uma homenagem à história marítima de Gênova.

Em 14 de agosto de 2018, sob uma chuva forte, a ponte Morandi, um dos eixos essenciais para o comércio com a Europa e para viagens turísticas, desabou, arrastando dezenas de veículos.

A tragédia resultou em uma dura batalha judicial —ainda em andamento—, na qual as famílias acusam principalmente a empresa de manutenção, uma subsidiária do grupo Atlantia, de propriedade da família Benetton, a maior concessionária de rodovias da Itália, de ser responsável pela tragédia.

A investigação preliminar deve ser concluída em outubro, e o julgamento está previsto para começar no início do ano que vem, afirmou o representante dos familiares das vítimas.

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.