Descrição de chapéu China

Magnata pró-democracia Jimmy Lai é solto em Hong Kong após pagar fiança

Dono do jornal Apple Daily havia sido preso com base em nova lei de segurança

Hong Kong | Reuters

O bilionário Jimmy Lai, 71, um dos críticos mais ferrenhos ao regime chinês em Hong Kong, foi solto na manhã desta terça-feira (11), após pagar fiança de US$ 38 mil (cerca de R$ 209 mil).

O magnata havia sido preso no dia anterior, sob acusação de conluio com forças estrangeiras, um dos crimes tipificados pela nova lei de segurança nacional para o território, aprovada por Pequim em junho deste ano e que restringe a autonomia da ex-colônia britânica.

Além de Lai, outras nove pessoas foram presas, incluindo seus dois filhos, Ian e Timothy Lai, acusados de conluio e fraude, respectivamente. A ativista Agnes Chow, que fez parte do grupo pró-democracia Demosisto, dissolvido após a promulgação da lei, também havia sido presa, acusada de secessão.

Todos eles foram soltos após pagarem fiança.

De máscara contra covid, Jimmy Lai entra em carro cercado por câmeras e jornalistas.
Jimmy Lai é fotografado entrando em carro após pagar fiança e ser solto em Hong Kong - Isaac Lawrence - 11.ago.2020/AFP

Chow disse que as detenções são frutos de perseguição política e acusou o regime chinês de utilizar a nova lei de segurança para reprimir dissidentes. Lai é um dos principais ativistas pela democracia no território, e seu jornal, o Apple Daily, faz críticas frequentes a Pequim.

Após a prisão do bilionário, o periódico afirmou que “continuará a lutar”. “As orações e o encorajamento de nossos leitores e jornalistas nos fazem crer que, desde que haja leitores, haverá jornalistas”, publicou. Junto com o texto, o Apple Daily colocou uma foto de Lai algemado na primeira página.

A tiragem da publicação, geralmente de 100 mil exemplares, foi de 500 mil nesta terça, e filas se formaram em Hong Kong para adquirir um exemplar. O valor das ações da empresa dona do jornal, a Next Digital, subiram cerca de 500% desde a prisão de Lai.

O bilionário passou 40 horas preso. Ao ser liberado, foi recebido por apoiadores que gritaram “lute até o fim” e “apoiem o Apple, uma maçã por dia”, em referência ao nome do periódico.

Na segunda-feira, 200 policiais cumpriram um mandado de busca na Redação do jornal. Os agentes coletaram 25 caixas, e o veículo anunciou que entrará na Justiça para impedir que as autoridades tenham acesso aos materiais confiscados.

Em editorial publicado nesta terça, o jornalista Li Ping escreveu que as prisões foram uma resposta às sanções impostas pelos EUA a autoridades do território na última sexta-feira (7). Com a prisão de Lai, Pequim teria matado "três coelhos com uma cajadada só”. “O governo pôde dar um chilique e mostrar sua fúria, exibir seu poder para o mundo e intimidar a mídia em Hong Kong”, escreveu.

O secretário de Estado americano, Mike Pompeo, chamou Lai de patriota após a prisão e disse que "a China eviscerou as liberdades de Hong Kong". Na segunda, o país asiático respondeu às sanções dos EUA, impondo medidas semelhantes a políticos do Partido Republicano.

A China acusa Lai de ser um traidor em razão das suas viagens frequentes a Washington e de encontros com autoridades como Pompeo, nos quais tentou angariar apoio aos atos contra Pequim em Hong Kong.

Em editorial em fevereiro, o jornal Global Times, espécie de porta-voz do Partido Comunista, chamou Lai de “uma força do mal”. O editor do veículo, Hu Xijin, escreveu em uma rede social que as prisões são um sinal de que o governo de Hong Kong, alinhado a Pequim, "não foi intimidado" pelas sanções americanas.

Lai já foi preso duas vezes neste ano, sob acusação de reuniões ilegais, mas essa é a primeira vez que é detido com base na nova lei de segurança nacional.

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.