Milhares protestam ao redor de casa de Netanyahu contra corrupção e índices econômicos

Manifestantes criticam reação do premiê à crise causada pelo coronavírus em Israel

Jerusalém | Reuters

Milhares de manifestantes protestaram nos arredores da casa do premiê Binyamin Netanyahu, em Jerusalém, neste sábado (8), descontentes com as acusações de corrupção contra o líder de Israel e com a resposta do governo à crise causada pelo coronavírus.

“Seu tempo acabou”, dizia uma projeção em um prédio, enquanto ativistas agitavam bandeiras e pediam a renúncia de Netanyahu, acusado de não proteger empregos e negócios afetados pela pandemia.

Manifestantes em protesto contra o governo de Israel nos arredores da casa do premiê Benjamin Netanyahu
Manifestantes em protesto contra o governo de Israel nos arredores da casa do premiê Benjamin Netanyahu - Ahmad Gharabli/AFP

O movimento de protestos se intensificou nas últimas semanas, com críticos acusando Netanyahu de estar concentrado na condução do processo de corrupção contra ele —o que ele nega.

O Likud, partido do primeiro-ministro, chamou as manifestações de “motins de esquerda” e acusou a emissora Canal 12 de "fazer tudo o que pode para encorajar as manifestações de extrema esquerda".

Protestos também se estenderam para além da região da casa de Netanyahu, com muitos israelenses se reunindo em pontes e trevos de rodovias em outros pontos do país.

Em um viaduto movimentado ao norte do centro comercial de Tel Aviv, manifestantes agitavam bandeiras nacionais e entoavam slogans enquanto os carros buzinavam.

Em maio, Israel suspendeu um bloqueio parcial que havia diminuído o número de infecções por Covid-19 no país. Mas uma nova onda de casos que levaram a mais restrições fizeram os índices de aprovação de Netanyahu despencarem para menos de 30%.

Desde então, as restrições foram parcialmente suavizadas na tentativa de recuperar a atividade comercial, mas o desemprego se mantém em 21,5%, com a expectativa de que a economia contraia 6% em 2020.

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.