Pentágono cria unidade para estudo de objetos voadores não identificados

Washington mostra-se preocupado com capacidade de espionagem da China

Washington | AFP

O Pentágono anunciou nesta sexta-feira (14) a criação de uma unidade encarregada de estudar oficialmente objetos voadores não identificados —ovnis. O órgão focará a detecção de possíveis manobras de espionagem realizadas por adversários dos Estados Unidos.

Com a criação da "célula de trabalho sobre fenômenos aéreos não identificados", aprovada em 4 de agosto e que estará sob responsabilidade da Marinha, pretende-se "compreender melhor a natureza e origem" dessas aparições, declarou Susan Gough, porta-voz do Departamento de Defesa, em comunicado.

Para o Exército americano, os ovnis nada têm a ver com possíveis extraterrestres, mas sim com adversários e inimigos dos Estados Unidos muito reais.

Washington mostra-se particularmente preocupado com a capacidade de espionagem da China, por meio de drones ou outros veículos aéreos.

A missão da nova unidade do Pentágono é "detectar, analisar e catalogar estes fenômenos aéreos não identificados que poderiam representar uma ameaça para a segurança nacional", declarou a porta-voz.

O Pentágono "leva muito a sério qualquer incursão de aeronaves não autorizadas em nossos centros de treinamentos ou em nosso espaço aéreo e revista todos os relatórios", completou.

Em junho, o Senado dos Estados Unidos se interessou pelas atividades do Pentágono nesta área, confirmando assim oficialmente a existência de um grupo de trabalho informal sobre este tema.

A nova unidade formaliza as operações e permitirá ao Congresso monitorar mais de perto a atividade.

O Pentágono publicou três vídeos filmados por pilotos da Marinha em final de abril que mostram encontros em voo com o que parecem ser ovnis.

Um dos vídeos data de novembro de 2004, enquanto os outros dois são de janeiro de 2015.

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.