Partido Republicano oficializa Trump como candidato à reeleição

Em discurso em Charlotte, presidente diz que 'democratas estão usando a Covid para roubar a eleição'

São Paulo

O presidente dos EUA, Donald Trump, foi confirmado como candidato à reeleição pelo Partido Republicano no começo da tarde desta segunda (24), no primeiro dia da convenção da legenda.

Ele foi eleito de forma unânime por todos os 2.551 delegados. A nomeação de Trump, 74, já era dada como certa, uma vez que ele praticamente não enfrentou oposição nas primárias do partido. Repetirá, assim, a chapa com o vice Mike Pence, 61, na votação marcada para 3 de novembro.

O presidente dos EUA, Donald Trump, discursa a delegados do Partido Republicano em Charlotte, na Carolina do Norte
O presidente dos EUA, Donald Trump, discursa a delegados do Partido Republicano em Charlotte, na Carolina do Norte - Chris Carlson/AFP

Os republicanos realizam uma convenção presidencial em proporções reduzidas em Charlotte, na Carolina do Norte, até quinta (27). Devido à pandemia, apenas cerca de 300 delegados foram ao encontro.

Assim, o evento foi realizado em um salão, com os participantes sentados distantes uns dos outros. Em anos anteriores, as convenções costumavam reunir milhares de pessoas em arenas esportivas.

Trump compareceu ao evento por volta das 12h30 no horário local (13h30 em Brasília) e falou por cerca de uma hora. Ele gerou aglomeração dos participantes, que queriam vê-lo de perto.

Foi recebido com gritos de "mais quatro anos" e respondeu que poderiam ser "mais 12". A lei americana permite apenas uma reeleição, o que faz com que cada líder fique, no máximo, oito anos no poder.

O presidente disse que sua campanha pode ser alvo de espionagem e voltou a afirmar que há risco de fraudes neste ano devido à votação pelo correio, ainda que não existam evidências que sustentem as declarações —ele mesmo já votou dessa maneira. "Estão usando a Covid para roubar a eleição."

O presidente Donald Trump discursa para plateia durante convenção republicana em Charlotte - Brendan Smialowski/AFP

Trump disse ainda que o governo dos EUA fez um grande trabalho na pandemia, com a distribuição de respiradores. "Todas as pessoas que precisaram de ventiladores os tiveram." O país, no entanto, registra o maior número de casos e mortes por Covid-19 no mundo, com 5,7 milhões de infecções e 176 mil óbitos.

O discurso teve ainda ataques ao rival democrata Joe Biden e à China e a reafirmação de temas da campanha, como a defesa do uso de armas e do discurso de "lei e ordem", além da promessa de cortar impostos e criar medidas para ampliar empregos nos EUA.

O republicano também reprovou a decisão de canais de TVs americanos de não exibir o "roll call", em que os delegados do partido são chamados para apresentarem seus votos. A crítica se estendeu até mesmo à Fox News, que exibiu o momento, mas o intercalou a comentários. "Eu queria ver os delegados", reclamou.

A maioria das emissoras dos Estados Unidos deverá transmitir a convenção apenas na parte da noite, como foi feito durante a convenção democrata, na semana passada.

Ao longo dos quatro dias do evento, Biden falou ao todo por cerca de 25 minutos, segundo o jornal The New York Times. Trump superou a marca já no primeiro dia, ao falar por quase uma hora nesta segunda.

Ele deve fazer pronunciamentos diários até quinta, em vez de discursar apenas no último dia da convenção, como tradicionalmente ocorre.

Pence fez um breve discurso por volta das 12h (13h em Brasília). O vice associou Biden à esquerda radical e afirmou que a eleição não tem a ver com riscos para a democracia, mas sim para a economia.

"A agenda deles é de mais impostos, fronteiras abertas, aborto sob demanda e corte de gastos militares", disse à plateia, sob aplausos presenciais.

Na convenção democrata, os apoiadores ficaram distantes e interagiram com os líderes por meio de chamadas de vídeo exibidas em telas, como forma de evitar o risco de contágio por Covid-19.

No evento republicano, Trump buscará usar a cerimônia para melhorar sua posição nas pesquisas. Levantamento nacional realizado pelo canal ABC e pelo instituto Ipsos divulgado neste domingo (23) mostra que ele tem 32% de chances de vencer o pleito, contra 45% de Biden.

A convenção dará destaque a ativistas que ficaram conhecidos por confrontar manifestantes antirracistas, combater o aborto e desafiar a imprensa, em um sinal de que a aposta de Trump no discurso de confronto e de acenos a grupos radicais segue firme.

A lista traz, por exemplo, um casal branco que apontou armas em direção a uma passeata pacífica do movimento negro, 
alvo frequente do presidente.

O destaque a participantes com esse perfil ajuda a desviar o foco da ausência de figuras de peso do partido. Nomes como o ex-presidente George W. Bush se recusam a apoiar o líder americano.

Não estão previstos debates para uma nova plataforma de campanha. A proposta de 2016, centrada no lema “Make America Great Again”, será reaproveitada.

Veja a seguir mais detalhes do encontro:

*

Para que serve a convenção?

Para confirmar o candidato republicano à presidente, animar militantes, tentar atrair mais eleitores e estimular doações.

O que muda neste ano?

  • O encontro tem escala reduzida, com votações e reuniões presenciais. Discursos serão feitos para transmissão online, mas alguns terão plateia
  • Todos os presentes terão de fazer testes de Covid-19 e usar aparelhos para registrar seus deslocamentos. Assim, se um participante receber diagnóstico da doença, será possível saber com quem teve contato no evento
  • Trump fará o discurso de aceitação da candidatura no jardim da Casa Branca, algo incomum na história do país. Uma lei veta o uso de propriedades federais para fins partidários

Agenda

Haverá reuniões partidárias ao longo do dia e exibição de discursos e depoimentos à noite, de 20h30 às 23h (21h30 a meia-noite em Brasília)

A chapa republicana

Donald Trump, 74 

Nascido em Nova York, tem graduação em economia. Fez fortuna bilionária no ramo imobiliário, a partir dos negócios do pai. Também investiu em áreas diversas, como cassinos, eventos e programas de TV. É presidente dos EUA desde 2017.

Mike Pence, 61 

Nascido em Columbus, Indiana, formou-se em direito. Nos anos 1990, atuou como apresentador de rádio e TV. Foi deputado (2001-13) e governador de Indiana (2013-17). É vice-presidente dos EUA desde 2017.


História da convenção

1856 Primeira convenção republicana

1864 Realizada em meio à Guerra Civil, incluiu democratas ligados ao lado norte. O democrata Andrew Johnson foi indicado como candidato à vice-presidente, com Abraham Lincoln para presidente

1924 Cento e vinte mulheres vão ao evento como delegadas, na primeira convenção após a adoção do voto feminino no país

1940 Primeira convenção transmitida ao vivo pela TV

1976 Então presidente, Gerald Ford quase perdeu a nomeação para Ronald Reagan. Ford foi derrotado na eleição de 1976, e Reagan, eleito presidente em 1980

2016 Grandes nomes do partido, como os ex-presidentes George Bush pai e filho e ex-candidatos à Presidência, não vão à convenção, que aponta Trump como candidato

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.