Direita alemã demite membro que sugeriu mandar imigrantes para câmara de gás

Declaração foi gravada sem que ele soubesse em conversa que ex-porta-voz da AfD diz que quanto pior ficar a Alemanha, melhor para o partido

Bruxelas

O partido de direita radical AfD (Alternativa para a Alemanha) demitiu nesta segunda (28) seu ex-porta-voz Christian Lüth por declarações em que ele sugere mandar imigrantes para a câmara de gás.

As declarações foram filmadas sem que ele soubesse, em fevereiro. Lüth, na época ainda porta-voz do grupo parlamentar, conversava em um bar em Berlim com uma youtuber que queria contratar.

No encontro, ele afirmou ser a favor da entrada de imigrantes no país “porque ficaria melhor para a AfD”.

“Quanto pior a Alemanha estiver, melhor para a AfD. Depois podemos fuzilar todos eles. Ou mandá-los para a câmara de gás, ou o que você quiser. Eu não me importo!", afirmou o ex-assessor do partido, segundo vários veículos da mídia alemã. Ainda que ele não tivesse mais o cargo, ainda era contratado do partido.

Homem de cabelo curto penteado para trás e terno escuro
O ex-porta-voz da Alternativa para a Alemanha (AfD) Christian Lüth - Odd Andersen - 9.mar.2017/AFP

O canal de TV ProSieben, que gravou a conversa para um documentário sobre políticos de direita, disse que, por razões legais, não poderia confirmar o nome de Lüth. O programa iria ao ar nesta semana.

Em abril, Lüth já havia sido dispensado do cargo de porta-voz do partido após relatos de que teria se descrito como “fascista” e de “ascendência ariana”.

Ao anunciar a demissão nesta segunda, o líder da bancada parlamentar da AfD, Alexander Gauland, disse que as declarações atribuídas a Lüth eram “completamente inaceitáveis ​​e de forma alguma relacionadas aos objetivos e políticas da AfD e do grupo parlamentar da AfD no Parlamento alemão”.

O próprio Gauland, no entanto, já havia dito em entrevista à revista Der Spiegel em 2015 que o partido de direita radical “devia seu ressurgimento principalmente à crise dos refugiados”.

A AfD, principal partido de oposição ao governo de Angela Merkel, tem visto sua popularidade cair e enfrentado disputas internas entre sua facção mais moderada e a mais radical, o grupo Flügel (asa).

Com 7.500 apoiadores, o Flügel passou a ser considerado pelas autoridades de segurança alemãs como de extrema direita e tem ligações com movimentos neonazistas. Recentemente a polícia decidiu colocá-lo sob vigilância. Lüth, 44, ingressou na AfD em 2013 e ocupou o cargo de porta-voz do grupo parlamentar desde que o partido ingressou no equivalente à Câmara dos Deputados, em 2017.

“Isso é veneno para nosso país e me deixa doente”, disse à AFP Katja Mast, vice-presidente do grupo parlamentar do SPD (social-democrata), partido ao qual Lüth era ligado antes de se unir ao AfD.

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.