Brasil reabre fronteiras com Paraguai sem regras sanitárias nem novas UTIs

Cidade brasileira na divisa pede verba para leitos enquanto país vizinho determina protocolos rígidos

Curitiba

Após quase sete meses fechada para tentar conter a Covid-19, a Ponte da Amizade foi reaberta nesta quinta (15). A passagem liga Foz do Iguaçu, no extremo oeste do Paraná, a Ciudad del Este, no Paraguai.

O processo gradual de reabertura para residentes do país vizinho incluiu ainda os postos brasileiros de Ponta Porã e Mundo Novo, em Mato Grosso do Sul. O governo paraguaio, por outro lado, não divulgou quando deve reabrir essas fronteiras, ou seja, apenas paraguaios podem circular nas divisas.

Enquanto o Paraguai divulgou um protocolo rígido para a entrada de brasileiros no país via Ponte da Amizade, portaria publicada na quarta (14) pelo governo brasileiro traz poucas restrições e sem menções a critérios de saúde.

Veículos na Ponte da Amizade, que conecta Brasil e Paraguai, após reabertura
Veículos na Ponte da Amizade, que conecta Brasil e Paraguai, após reabertura - Christian Rizzi - 15.out.20/Reuters

A flexibilização ocorreu ainda sem que a prefeitura da cidade paranaense tenha recebido verba para cumprir um plano de contingência contra um eventual aumento de casos da Covid-19. Ao todo, o investimento com as demandas, de acordo com o município, seria de cerca de R$ 40 milhões.

Além de pedir insumos, equipamentos e mais médicos e enfermeiros, a administração municipal quer implantar uma unidade móvel na cabeceira da Ponte da Amizade para triagem de pacientes. Para tal, calcula a necessidade de abertura de ao menos 70 leitos de UTI.

As demandas levam em consideração os cerca de 600 mil moradores do departamento de Alto Paraná, no Paraguai, ao qual pertence Ciudad del Este, onde vivem quase 100 mil brasileiros.

“São pessoas que podem procurar atendimento em Foz do Iguaçu”, afirma o vice-prefeito e secretário de Saúde da cidade, Nilton Bobato (MDB).

Em nota, o Ministério da Saúde afirmou que o pedido de custeio de novas UTIs na cidade deve partir das secretarias municipal ou estadual de saúde e que atualmente não existe nenhum leito sendo avaliado pela área técnica. A prefeitura, por sua vez, diz ter enviado a solicitação na terça (13), e a Secretaria de Saúde do Paraná afirma que deve acertar com a pasta detalhes da ajuda à cidade na próxima semana.

O ministério destaca que Foz do Iguaçu recebeu, até agora, R$ 18,4 milhões em investimentos federais, sendo R$ 4,3 milhões para a abertura de 30 UTIs exclusivas a pacientes com Covid-19, além de 12 ventiladores pulmonares e milhares de outros equipamentos de proteção, como máscaras e luvas.

Com população estimada de 258 mil pessoas, Foz do Iguaçu está prestes a alcançar 8.000 casos de coronavírus. Registra ainda 124 mortos. Atualmente, 49 das 75 UTI exclusivas para tratamento da Covid-19 estão ocupadas. Pouco mais da metade dos 64 leitos de enfermaria também está com pacientes.

Por meio de nota, o Itamaraty afirma que cada país adotará seus protocolos sanitários. A pasta ressaltou a importância de reativar o comércio na região da fronteira para a manutenção de postos de trabalho e lembrou que recentemente criou procedimentos para entrega de compras feitas pela internet no Paraguai.

Mas a portaria brasileira não apresenta critérios de saúde, apenas aponta que a entrada de paraguaios por terra deve obedecer a requisitos migratórios, como visto de entrada no Brasil quando exigido.

Já brasileiros que quiserem entrar no Paraguai pela Ponte da Amizade devem seguir uma série de regras estipuladas pelo país vizinho. Nos primeiros 15 dias após a reabertura da fronteira, apenas veículos poderão cruzar a ponte, que ficará aberta para entrada das 5h às 14h, com retorno até a meia-noite.

Entre meia-noite e 5h, a passagem fica fechada tanto para entrada quanto para saída.

Haverá fiscalização aleatória de passageiros, a travessia a pedestres ainda está suspensa e só poderão entrar no território vizinho pessoas com documento de identidade expedido em Foz do Iguaçu.

A recomendação é a de que brasileiros permaneçam no país durante no máximo 24h. Os estrangeiros também só poderão circular em um raio de até 30 quilômetros da fronteira e são obrigados a usar máscaras. Após o período de 15 dias, o Paraguai deve editar novas regras.

No primeiro dia de abertura, o movimento na ponte foi tranquilo, com picos de fluxo de veículos entre 10h e 11h. O presidente Jair Bolsonaro chegou a anunciar a presença no evento de reabertura da travessia, ao lado do presidente paraguaio, Mario Abdo Benítez, mas cancelou a visita.

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.