Descrição de chapéu Governo Trump

Governo Trump dificulta obtenção de visto para trabalhadores qualificados

Medidas reduzem escopo de cursos superiores elegíveis e diminuem duração do documento

Washington | Reuters

O governo Donald Trump anunciou nesta terça-feira (6) uma revisão do visto H-1B, voltado a estrangeiros de alta qualificação profissional.

As medidas reduzem o escopo de cursos superiores possíveis para um candidato, diminuem a duração das autorizações de certos trabalhadores e exigem que as empresas que contratam imigrantes com esse tipo de permissão paguem salários razoavelmente mais altos.

Na prática, a revisão dificulta a qualificação para o visto. Segundo Ken Cuccinelli, um dos diretores do Departamento de Trabalho e Segurança Nacional, um terço das candidaturas para o H-1B deve ser rejeitada com a adoção das novas medidas.

Em entrevista coletiva, ele disse que as mudanças eram necessárias para proteger os trabalhadores americanos de classe média, que estariam sendo substituídos por estrangeiros que cobrariam menos para realizar o mesmo serviço.

O subsecretário do Trabalho, Patrick Pizzella, seguiu linha semelhante. “A legislação americana de imigração deve priorizar os trabalhares americanos”, afirmou.

As medidas, que entrarão em vigor na quinta-feira (8), também devem atingir estrangeiros que já têm esse tipo de permissão —e que não terão como renová-lo a menos que seus salários sejam elevados ao nível exigido pelas novas regras.

O governo Trump já tinha anunciado planos de revisar o H-1B em 2017 e, nos últimos anos, passou a rejeitar uma proporção maior de candidaturas: em 2019, 15% dos inscritos foram negados, contra 6% em 2016, segundo dados oficiais.

A menos de um mês da eleição presidencial, o pacote parece ser uma tentativa de deixar um legado da doutrina anti-imigração de Trump. Em junho, o presidente bloqueou a entrada de trabalhadores temporários no país sob a mesma justificativa —de que seria necessário preservar os empregos dos americanos.

A gestão foi processada pela Câmara de Comércio, a maior associação de empresas do país, que afirmava que essa regulação criaria empecilhos desnecessários para os empregadores.

Assim, o secretário do Trabalho, Eugene Scalia, já havia dito à agência de notícias Reuters em setembro que planejava mudar os requisitos para o H-1B.

“Há muito tempo que os salários permitidos aos trabalhadores [que entram com esses vistos] é causa de preocupação”, afirmou. “Isso nunca é aceitável, mas é completamente intolerável quando milhões de americanos estão sem trabalho por causa da pandemia.”

Empresas terceirizadas são a maior parte das contratantes de funcionários com essa modalidade de visto. A maioria dos trabalhadores, por sua vez, vem da Índia.​

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.