Descrição de chapéu Venezuela

Navio venezuelano com 1,4 milhão de barris de petróleo corre risco de naufragar

Fotos mostram embarcação Nabarima inclinada para o lado nas águas do Golfo de Paria

Caracas e Belo Horizonte | Reuters

Grupos ambientais expressaram preocupação nas últimas semanas com um possível vazamento de 1,4 milhão de barris de petróleo a bordo do navio venezuelano Nabarima.

Fotos recentes mostram a embarcação inclinada e progressivamente afundando nas águas do Golfo de Paria, localizado entre a costa da Venezuela e a ilha de Trinidad e Tobago.

Embarcação Nabarima, que pertence a uma joint venture entre a venezuelana PDVSA e a italiana Eni, é vista flutuando inclinada no Golfo de Paria
Embarcação Nabarima, que pertence a uma joint venture entre a venezuelana PDVSA e a italiana Eni, é vista flutuando inclinada no Golfo de Paria - Fishermen and Friends of the Sea - 16.out.20/Reuters

Embora a dimensão do mau estado de conservação do Nabarima seja desconhecida, se a embarcação não for reparada logo pode afundar e desencadear um gigantesco desastre ambiental, poluindo as águas venezuelanas e de várias nações vizinhas no Caribe, relatou o jornal argentino Clarín.

O Nabarima tem 264 metros de comprimento e acredita-se que esteja em sua capacidade máxima —o equivalente a 1,4 milhão de barris de petróleo, uma quantidade quase cinco vezes maior do que a derramada pela Exxon Valdez em 1989, de acordo com a emissora americana NBC.

O navio foi ancorado no Golfo de Paria para exportação de petróleo venezuelano, mas ficou inativo após o recente colapso na demanda mundial da commodity devido à pandemia de coronavírus e às sanções da Casa Branca contra o regime de Nicolás Maduro que assustaram os potenciais compradores.

Nabarima flutua inclinado; não se sabe a extensão dos danos da embarcação
Nabarima flutua inclinado; não se sabe a extensão dos danos à embarcação - Fishermen and Friends of the Sea - 16.out.20/Reuters

A PDVSA planeja transferir parte do petróleo bruto do Nabarima para o petroleiro Icaro por meio de uma operação de navio para navio chamada STS (sigla em inglês para "ship-to-ship"), disse uma pessoa familiarizada com o assunto à agência de notícias Reuters na segunda-feira (19).

Em dezembro de 2019, os EUA impuseram sanções adicionais ao próprio Icaro por entregar produtos petrolíferos venezuelanos a Cuba, um dos principais aliados de Maduro no exterior.

A PDVSA não respondeu aos pedidos de comentário, e autoridades da vizinha Trinidad e Tobago disseram que planejam inspecionar o Nabarima.

A Marinha brasileira afirmou em comunicado que o Grupo de Acompanhamento e Avaliação (GAA), formado pela própria Marinha, Ibama e ANP (Agência Nacional do Petróleo), acompanha a situação do petroleiro, que está a 1.300 km das águas do país.

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.