Descrição de chapéu Eleições EUA 2020

Trump foi maior impulsionador de desinformação da Covid-19

Estudo vinculado à Universidade Cornell, sobre mídia de língua inglesa, identificou presidente com 38% do material veiculado

São Paulo

Um levantamento da Cornell Alliance for Science, organização ligada à Universidade Cornell, nos Estados Unidos, apontou o presidente Donald Trump como o maior impulsionador de desinformação em torno da Covid-19.

Referências a ele apareceram em 37,9% do que a Alliance identificou, no jornalismo mundial em língua inglesa, de 1º de janeiro a 26 de maio, como material vinculado a notícia falsa ou fraudulenta sobre a doença.

O presidente americano, Donald Trump, tira a máscara ao chegar à Casa Branca depois de deixar o hospital, ainda infectado - Win McNamee - 5.out.2020/Getty Images/AFP

De 38 milhões de artigos analisados, o estudo apontou 1,1 milhão, perto de 3%, como tendo "disseminado, amplificado ou reportado" desinformação —aí incluídos 16,4% de verificação, ou seja, questionamento da desinformação.

O material foi subdividido em 11 tópicos, de "dr. Anthony Fauci", com acusações ao cientista americano, a "laboratório de Wuhan/arma biológica", tratando o coronavírus como uma criação chinesa.

A maior parte foi identificada como "curas milagrosas", com 26,4%, mais que todos os outros dez somados. E um salto nos registros teria ocorrido depois de Trump sugerir usar desinfetante contra o vírus.

"A mídia desempenha um papel importante na disseminação de desinformação, porque amplifica vozes de pessoas proeminentes, mesmo que elas sejam incorretas", diz a bióloga Sarah Evanega, diretora da Alliance.

"É importante que dê destaque a especialistas genuínos, representantes de instituições científicas", acrescentou.

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.