Influente e polêmico assessor de Boris Johnson deixa governo britânico

Dominic Cummings foi ideólogo da campanha pelo brexit e estrategista das eleições de 2019

  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

Londres | AFP e Reuters

Dominic Cummings, influente e controverso conselheiro do primeiro-ministro britânico, Boris Johnson, vai deixar o governo até o Natal. Ele foi fotografado pela agência de notícias Reuters segurando uma caixa após sair do escritório do premiê nesta sexta-feira (13).

Antes, o assessor havia negado à BBC que sairia da administração devido a uma crise política envolvendo a renúncia de um aliado, o diretor de comunicação de Boris, Lee Cain.

Dominic Cummings, assessor especial, deixa o escritório do primeiro-ministro britânico Boris Johnson
Dominic Cummings, assessor especial, deixa o escritório do primeiro-ministro britânico Boris Johnson - Henry Nicholls - 13.nov.20/Reuters

Os "rumores sobre minhas ameaças de demissão são invenções", afirmou, pontuando que sua saída estava prevista desde o começo do ano. "Minha posição não mudou desde meu blog de janeiro", disse, referindo-se a uma postagem na qual anunciou o desejo de se tornar "desnecessário" ao final de 2020.

Disputas internas levaram à demissão de Cain na quarta-feira (11), depois que, segundo a imprensa, figuras de peso do Partido Conservador se opuseram à sua nomeação como diretor do gabinete de Boris.

Para críticos, o episódio representa o fim da influência de Cummings. Ele foi o ideólogo da campanha vitoriosa pelo brexit, em 2016, e criou tanto o slogan "take back control" (retomar o controle), usado no referendo, quanto o "let's get brexit done" (vamos fazer o brexit acontecer), das eleições nacionais de 2019.

A crise política acontece em um momento no qual Boris está sob pressão para reformular sua administração e controlar a pandemia de coronavírus, que vem exercendo grande impacto na economia.

Cummings ganhou a inimizade de membros do Partido Conservador que o acusavam de tomar as decisões no lugar do primeiro-ministro. O assessor é visto por aliados e inimigos como um estrategista implacável que pouco se importa com as convenções da política britânica tradicional. Conhecido como Dom por amigos, foi descrito pelo ex-premiê David Cameron como "psicopata de carreira".

  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.