Justiça veta expulsão de crianças imigrantes desacompanhadas nos EUA

Juiz considerou haver risco de abuso sexual, tortura e morte

Washington | Reuters

Um juiz federal bloqueou nesta quarta-feira (18) as expulsões de crianças desacompanhadas detidas enquanto tentavam entrar ilegalmente nos Estados Unidos, um revés para o governo de Donald Trump, que disse que a política visa limitar a disseminação do novo coronavírus.

O juiz Emmet Sullivan, do Distrito de Columbia, decidiu que os menores provavelmente sofreriam danos irreparáveis ​​porque poderiam estar sujeitos a abuso sexual e outras formas de violência, além do risco de serem torturados ou mortos se retornassem sumariamente a seus países de origem.

O presidente Trump fez do combate à imigração ilegal uma parte central de seu mandato e decretou uma série de restrições à entrada de estrangeiros no país durante a pandemia.

Criança participa de ato contra as políticas de migração do governo Trump em Tijuana, no México, próximo à fronteira com os EUA
Criança participa de ato contra as políticas de migração do governo Trump em Tijuana, no México, próximo à fronteira com os EUA - Guillermo Arias - 21.out.20/AFP

O presidente eleito Joe Biden, que tomará posse em 20 de janeiro, prometeu reverter muitas das políticas linha dura sobre o tema adotadas pelo republicano.

Biden ainda não explicou como regularia a entrada de migrantes durante a pandemia nem o que faria sobre as regras que permitem deportações rápidas. Um funcionário da sua campanha afirmou que o democrata remeteria essas questões à avaliação de especialistas em saúde.

Um oficial da Patrulha de Fronteira dos EUA disse em uma ação judicial em setembro que 8.800 menores desacompanhados foram expulsos entre 20 de março e 9 de setembro, durante a vigência das regras.

No total, os EUA expulsaram cerca de 197 mil migrantes detidos enquanto cruzavam a fronteira com o México de março até o final de setembro, embora esses números possam incluir pessoas que cruzaram a divisa várias vezes.

Lee Gelernt, advogado da American Civil Liberties Union (Aclu), que representou os migrantes no processo, disse que a política era um pretexto para Trump fechar a fronteira a crianças e requerentes de asilo da América Central. O Departamento de Justiça, o Departamento de Segurança Doméstica e a Casa Branca não responderam imediatamente a pedidos de comentários.

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.