Descrição de chapéu Eleições EUA 2020

Minha eleição: 'Campanha de 2008 ensinou a ver americanos além de estereótipos'

Vitória de Obama despertou esperança até em republicanos ao romper barreira histórica

  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

São Paulo

No dia em que Barack Obama foi eleito presidente dos Estados Unidos, em novembro de 2008, encontrei meu vizinho americano no fim da tarde, quando saímos para buscar a correspondência deixada pelo carteiro nas caixas de correio na frente de casa. Perguntei o que ele achara do resultado da eleição.

"Cresci no Oklahoma e ainda me lembro de quando havia banheiros públicos separados para brancos e negros", disse ele. "Nunca pensei que um dia veria o que aconteceu hoje." Tinha votado no republicano John McCain, mas parecia contente mesmo assim. "Este país se reinventa de tempos em tempos."

Veterano da Guerra do Vietnã, ex-funcionário da área de inteligência do governo e dono de uma consultoria na área de defesa, ele temia a inexperiência de Obama, mas reconhecia que a chegada de um negro à Casa Branca representava uma virada importante, o rompimento de uma barreira histórica num país marcado por séculos de injustiça racial.

Barack Obama e sua mulher, Michelle, ao tomar posse como presidente dos Estados Unidos, em 2009
Barack Obama e sua mulher, Michelle, ao tomar posse como presidente dos Estados Unidos, em 2009 - Jim Bourg - 20.jan.09/Reuters

Nos quase quatro anos em que vivi nos EUA, trabalhando como correspondente do jornal Valor Econômico, aprendi que a sociedade americana é muito mais complexa do que sugerem os estereótipos usados com frequência para descrevê-la. Talvez isso nunca tenha ficado tão evidente como naquela eleição.

Republicanos como meu vizinho, que mantinha um armário cheio de armas em casa e saía com os amigos para caçar nos fins de semana, estavam desiludidos com o fiasco no Iraque e angustiados com a crise que empurrava a economia para a recessão. Ainda assim, ninguém saiu atirando na rua após o triunfo de Obama.

Outra vizinha, que trabalhava como secretária em um consultório médico quando não estava cuidando da casa e das duas filhas pequenas, dizia sentir vergonha por ter votado um dia nos republicanos, mas achava Obama arrogante demais para merecer seu voto. Ela nunca quis revelar a escolha que fez naquela eleição.

Havia desconfiança em toda parte sobre a capacidade que Obama teria de cumprir as expectativas que criou, mas ele despertava esperança e arrebanhava seguidores com seus discursos inspiradores, apresentando-se como um político conciliador que ajudaria os EUA a curar as feridas do passado em vez de reavivá-las.

No dia da posse, numa manhã gelada de janeiro de 2009, uma multidão estimada em 2 milhões de pessoas se reuniu no centro de Washington para participar da festa. Muitos entraram no metrô de madrugada e chegaram antes de o sol aparecer. Outros viajaram horas de ônibus para chegar a tempo.

Andando no meio das pessoas, era possível encontrar gente que nunca havia se visto antes fazendo reflexões sobre a história do país, suas experiências individuais e a virada que testemunhavam. Alguns assistiram ao discurso de Obama como se estivessem num culto religioso, expressando aprovação com gritos e batendo palmas.

Um funcionário público que distribuía bandeirinhas de papel a quem quisesse entregou duas a uma mulher negra que se aproximou pouco antes de Obama começar a falar. Quando perguntei o que estava achando da festa, ela contou que pela primeira vez tinha vontade de agitar a bandeira pintada de azul, vermelho e branco e salpicada de estrelas.

Muitos se decepcionaram depois com as vacilações de Obama, o atoleiro da guerra no Afeganistão e os compromissos que os democratas fizeram para se manter no poder. Mas isso foi mais tarde. Naquele dia, parecia que os americanos tinham encontrado um motivo para celebrar o país que haviam construído e começar tudo de novo.

  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.