Descrição de chapéu Governo Trump

Trump concede indulto a ex-conselheiro que se declarou culpado por mentir sobre interferência russa

Michael Flynn foi condenado na investigação sobre atuação de Moscou para favorecer republicano nas eleições de 2016

São Paulo

O presidente americano, Donald Trump, concedeu nesta quarta-feira (25) um indulto ao ex-conselheiro de Segurança Nacional Michael Flynn, que se declarou duas vezes culpado ao FBI, a polícia federal americana, por mentir para investigadores no caso da interferência russa nas eleições de 2016.

"Tenho a grande honra de anunciar que o general Michael T. Flynn recebeu perdão total", escreveu o republicano em uma mensagem no Twitter. "Parabéns a ele e à sua maravilhosa família, eu sei que agora vocês terão um fantástico Dia de Ação de Graças."

O ex-conselheiro de Segurança Nacional Michael Flynn durante pronunciamento na Casa Branca, em Washington
O ex-conselheiro de Segurança Nacional Michael Flynn durante pronunciamento na Casa Branca, em Washington - Carlos Barria - fev.17/Reuters

Flynn, que deu informações falsas sobre conversas que teve com o então embaixador da Rússia nos EUA, Sergei Kislyak, nas semanas anteriores à posse de Trump, foi condenado como parte da investigação para apurar se houve interferência de Moscou nas eleições de 2016 para favorecer o republicano.

Primeiro membro deste governo a renunciar —o ex-militar foi conselheiro de Segurança Nacional por menos de um mês, em 2017—, Flynn voltou atrás na confissão e disse ter sido perseguido pelo FBI.

Desde então, tentou retirar a acusação, argumentando que os promotores violaram seus direitos e o forçaram a fechar um acordo de declaração de culpa —a sentença de Flynn foi adiada diversas vezes.

Em março, Trump já havia dito que considerava conceder o indulto ao ex-conselheiro, uma vez que, segundo o presidente, o FBI e o Departamento de Justiça "destruíram" a vida dele e de sua família, ainda que este último, liderado por William Baar, tenha agido para retirar a acusação contra Flynn.

A intervenção do secretário apresentava a possibilidade de Trump encerrar o processo contra o ex-militar sem exigir que o líder republicano assumisse responsabilidade política explícita pelo ato. O juiz que supervisionava o caso, Emmet G. Sullivan, no entanto, negou as tentativas de Baar.

Com o movimento, Trump concede o perdão presidencial de mais alto nível desde que assumiu a Casa Branca. Entre outros, o republicano já perdoou militares acusado de crimes de guerra no Afeganistão, além de Joe Arpaio, ex-xerife do Arizona linha-dura contra a imigração ilegal.

Em julho, o presidente também concedeu um idulto a Roger Stone, seu amigo e conselheiro de longa data, condenado a três anos e quatro meses de prisão, também por mentir aos investigadores. A decisão veio uma semana antes de o lobista começar a cumprir sua pena.

O perdão presidencial, que pode ser o primeiro de vários depois de o republicano perder a eleição para Joe Biden, atraiu críticas de democratas. "É injusto, sem princípios e mais uma mancha no rapidamente reduzido legado do presidente Trump", disse o presidente do Comitê Judiciário da Câmara dos Representantes, Jerry Nadler, em um comunicado.

“Donald Trump abusou do poder do perdão para recompensar seus amigos e aliados políticos e proteger aqueles que mentem para encobri-lo”, disse o presidente do Comitê de Inteligência da Câmara, Adam Schiff, um dos líderes do processo de impeachment contra o presidente.

Há alguns meses, Flynn postou um vídeo no qual dizia ter se tornado membro da teoria da conspiração QAnon, segundo a qual Trump luta contra um “estado profundo” formado por pedófilos e satanistas, muitos dos quais democratas. O ex-conselheiro é considerado um mártir pelos seguidores da teoria.

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.