Aliado de Ernesto é rejeitado para posto diplomático em Genebra após desavença com senadora

Indicado para vaga junto à ONU, Fabio Mendes Marzano recebeu 37 votos contra e 9 a favor

Brasília

Em derrota para o chanceler Ernesto Araújo, o Senado rejeitou na noite desta terça-feira (15) a indicação de um embaixador para um dos principais postos da diplomacia brasileira no mundo, a delegação junto à ONU (Organização das Nações Unidas), em Genebra.

O Ministério das Relações Exteriores havia indicado para o posto o diplomata Fabio Mendes Marzano, considerado próximo do chanceler. A indicação foi rejeitada por 37 votos, contra 9 pela aprovação.

O diplomata Fabio Mendes Marzano na Comissão de Relações Exteriores e Defesa Nacional  - Pedro França/Agência Senado

A rejeição se deu após uma desavença no dia anterior com a senadora Kátia Abreu (PP-TO), durante sabatina na Comissão de Relações Exteriores.

Ministro de primeira classe da carreira diplomática, Marzano foi questionado pela senadora a respeito do acordo comercial entre o Mercosul e a União Europeia e até que ponto a questão ambiental, por conta dos desmatamentos, iria afetar a negociação.

Marzano respondeu que o assunto não era da alçada dele, uma vez que estava sendo nomeado para um posto sem relação com o assunto. "Na verdade, a delegação em Genebra não se ocupa de temas ambientais. Como eu comentei, o Conselho de Direitos Humanos é o principal organismo. As temáticas estão mais relacionadas com direitos humanos", disse.

"Se a senhora me permite, eu não estaria mandatado para opinar aqui sobre o acordo Mercosul-União Europeia. Tampouco é uma atribuição da minha secretaria atual no Itamaraty negociar esse acordo”, disse o diplomata, com um leve sorriso, que deixou a senadora indignada.

Kátia Abreu, no entanto, entendeu erroneamente que o embaixador havia dito que o assunto seria atribuição da sua atual secretaria e, por isso, continuou cobrando o diplomata.

"Ele hoje está ocupando um cargo no Itamaraty que diz respeito a esse assunto, então se nem dessa forma ele pode comentar alguma coisa, o Itamaraty está virando uma casa de terrores onde os embaixadores não podem abrir a boca e dar suas opiniões. Eu sinto muito diante desse quadro, até o próximo vexame", disse a senadora, durante a sabatina.

Em seguida, Kátia Abreu pediu novamente um posicionamento do diplomata, que apenas acenou negativamente com a cabeça. Quando o assunto foi discutido nesta terça, no plenário, o senador Major Olímpio (PSL-SP) fez um duro discurso contra Marzano, afirmando que ele havia desrespeitado o Senado.

"Ao ser sabatinado por uma das nossas senadoras, (...) esse senhor, de maneira grotesca, irresponsável, simplesmente disse que não era da sua alçada e não iria responder", afirmou. "Então, eu peço aos senadores, em nome da altivez do Senado, que não votem por essa indicação."

O senador sugeriu, então, que uma nova indicação ao posto em Genebra fosse feita no início do ano. "Vir aqui dizer o que foi dito, de forma grotesca, e isso sair barato! 'Ah, mas sou do time do chanceler'. Para o inferno o chanceler! Respeito ao Senado, respeito aos senadores! Vamos todos votar contra esse cidadão."

Marzano é secretário de Soberania do Ministério das Relações Exteriores, uma estrutura criada por Ernesto para tratar de temas como direitos humanos, ONU e Meio Ambiente e que concentra as pautas conservadoras encampadas pelo chanceler.

A rejeição de uma indicação de embaixadores é evento raro no processo legislativo. Uma das últimas ocasiões em que isso ocorreu se deu com Guilherme Patriota —irmão do ex-chanceler Antonio Patriota—, indicado na ocasião para a missão brasileira junto à OEA (Organização dos Estados Americanos).

Outro raro caso de indicação de embaixador que não prosperou ocorreu em 2013. O diplomata Marcel Fortuna Biato havia sido designado chefe da missão brasileira na Suécia, mas a então presidente Dilma Rousseff suspendeu a indicação.

A petista resolveu retirar o nome após a fuga para o Brasil do senador boliviano opositor Roger Pinto Molina, que ficou mais de um ano na embaixada brasileira em La Paz —Fortuna chefiava o posto, mas estava de férias à época da fuga do senador.

Erramos: o texto foi alterado

O partido da senadora Kátia Abreu (TO) é o PP, não o PSD. O texto foi corrigido.

 

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.