Descrição de chapéu réveillon

Coronavírus esvazia festas tradicionais de Ano-Novo, de Sydney a Nova York

Ano marcado pela pandemia forçará bilhões de pessoas de diferentes cidades no mundo a passar comemoração em casa

Sydney (Austrália)

Fogos de artifício dourados e azuis dispararam no céu acima da Sydney Opera House, na Austrália, como costuma acontecer todo Ano-Novo —mas, desta vez, o cenário quase não tinha espectadores.

Na Austrália, onde os fogos de artifício costumam servir como a primeira grande exibição visual do Réveillon no mundo, as reuniões foram proibidas, e as fronteiras internas, fechadas devido à Covid-19.

Nesta quinta-feira (31), o mundo se despede de 2020 marcado pela pandemia do coronavírus, que vai forçar bilhões de pessoas, de Sydney a Roma, a celebrarem a passagem para 2021 em casa.

Os arredores da Sydney Opera House, onde acontece tradicional show de Ano-Novo
Os arredores da Sydney Opera House, onde acontece tradicional show de Ano-Novo - David Gray/AFP

Com novas ondas do coronavírus, toque de recolher e o registro de variantes mais transmissíveis, pessoas assistirão a fogos de artifício pela televisão ou pela tela do computador.

Também tradicional, a contagem regressiva da véspera de Ano-Novo vai acontecer na Broadway, em Nova York, nos EUA. Mas, desta vez, em vez da multidão de centenas de milhares de pessoas, o público será um grupo pré-selecionado de enfermeiras, médicos e outros funcionários que ajudaram no combate da Covid-19, com suas famílias mantidas a dois metros de distância.

Já os moradores de Roma, capital da Itália, vão assistir, da sala de casa, às festas no Circus Maximus, o estádio mais antigo da cidade. No programa, estão previstas duas horas de shows e a iluminação dos lugares mais emblemáticos da cidade.

No Reino Unido, em Londres, cidade gravemente afetada pela pandemia, a cantora norte-americana Patti Smith fará um show em homenagem aos cuidadores do NHS, o sistema público de saúde nacional, que morreram de Covid-19. Será transmitido ao vivo na tela de Piccadilly Circus e pelo YouTube.

Em alguns países, porém, as festividades foram canceladas, como em Pequim, na China, e pontos turísticos foram cercados por barreiras, como a Praça Vermelha, em Moscou, na Rússia, e a Puerta del Sol em, Madrid, na Espanha.

Com mais de 1,7 milhões de pessoas mortas e 82 milhões infectadas ao redor do mundo, 2020 termina como um marco na história mundial.

Em seu discurso de Ano-Novo, a chanceler alemã, Angela Merkel, afirmou: “Acho que não estou exagerando quando digo: nunca, nos últimos 15 anos, deparamo-nos com um ano tão duro. E nunca, mesmo com todas as preocupações e ceticismo, aguardamos o Ano-Novo com tanta esperança”.

A Alemanha proibiu a venda de fogos de artifício para desencorajar as multidões.

Barreiras colocadas em uma rua vazia antes da celebração do Ano-Novo na Times Square, em Nova York
Barreiras colocadas em uma rua vazia antes da celebração do Ano-Novo na Times Square, em Nova York - Kena Betancur/AFP
Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.