Mergulhadores recuperam caixa-preta após queda de avião com 62 pessoas na Indonésia

Equipamento deve trazer respostas sobre o que causou o acidente, enquanto médicos tentam identificar corpos

Jacarta | AFP e Reuters

Mergulhadores da Indonésia recuperaram do fundo do mar, nesta terça-feira (12), uma das duas caixas-pretas do avião com 62 pessoas a bordo que caiu no Mar de Java no último final de semana.

De acordo com autoridades locais, a equipe de buscas encontrou o dispositivo que grava os dados do voo, o que permitirá entender em detalhes o que causou a queda do avião momentos após a decolagem.

Os mergulhadores também recuperaram um farol de rádio, aumentando a esperança de que o gravador de voz da cabine —a segunda caixa-preta—, ao qual o farol estava conectado, também seja encontrado.

"Temos certeza de que, como o farol que estava preso ao gravador de voz da cabine também foi encontrado na área, o gravador de voz da cabine será encontrado em breve", disse o chefe militar Hadi Tjahjanto em entrevista coletiva nesta terça.

Autoridades em Jacarta, na Indonésia, posam ao lado da caixa-preta recuperada do Mar de Java após queda de avião - Adek Berry - 12.jan.21/AFP

Ainda há poucas respostas sobre o que aconteceu com a aeronave da companhia Sriwijaya Air, e a expectativa dos investigadores é de que os registros dos gravadores de voo possam determinar o que exatamente deu errado. No sábado, o Boeing 737-500 caiu no mar cerca de quatro minutos depois de decolar do principal aeroporto de Jacarta, capital da Indonésia, e desaparecer dos radares.

Antes de ficar incomunicável, o avião perdeu 10 mil pés de altitude em menos de um minuto, de acordo com o site FlightRadar24. O ministro dos Transportes da Indonésia, Budi Karya, disse que, das 62 pessoas a bordo, 12 eram tripulantes. Entre os passageiros, havia 10 crianças. Todos eram indonésios.

O Comitê Nacional de Segurança no Transporte (KNKT) deve baixar os dados da caixa-preta em um período de dois a cinco dias. "Esperamos que possamos desvendar o mistério do que causou esse acidente. Então isso será uma lição, para todos nós evitarmos [que se repita] no futuro."

O avião era um Boeing 737-500 de quase 27 anos, segundo informações do registro de rastreamento, e estava em boas condições, de acordo com o chefe-executivo da Sriwijaya Air, Jefferson Irwin Jauwena.

No momento da decolagem, chovia forte no aeroporto internacional de Soekarno-Hatta, o que já havia atrasado a saída da aeronave em 30 minutos. A rota prevista até Pontianak, a 740 km de Jacarta, teria duração de cerca de 1h30, mas a aeronave perdeu contato por volta das 4h30 do sábado (horário de Brasília; 14h30 em Jacarta).

Um Boeing 737 MAX operado pela companhia área Lion Air caiu na costa da Indonésia no final de 2018, matando todos os 189 passageiros e tripulantes a bordo. Esse acidente e outro envolvendo o mesmo modelo na Etiópia foram atribuídos a defeitos técnicos, e a fabricante foi condenada a pagar multa de US$ 2,5 bilhões (R$ 13,56 bilhões) por ter enganado as autoridades no processo de aprovação desse modelo.

A aeronave que caiu no sábado é um modelo mais antigo e não possui o sistema implicado na crise de segurança da linha MAX. Embora as chances de encontrar sobreviventes tenham sido praticamente descartadas pelas autoridades, familiares dos tripulantes e passageiros mantêm a esperança.

"Ainda não conseguimos aceitar isso", disse Inda Gunawan, irmã de um dos passageiros, à agência de notícias AFP. "Nossa família ainda está esperando por um milagre e que ele ainda esteja vivo."

Mãe de uma cabeleireira que estava a bordo do avião depois de ir à capital indonésia para comprar produtos para seu salão, Emma Yusja também afirmou que não para de rezar por um milagre. "Ainda creio em um milagre e que minha filha está viva, mas aceitarei tudo o que Alá decidir por nós", disse.

De acordo com os rituais fúnebres da Indonésia, a maior nação muçulmana do mundo, os enterros devem ocorrer o mais rapidamente possível após a morte, mas o processo de identificação dos restos mortais das vítimas da queda do avião ainda pode levar várias semanas.

Nesta terça, familiares dos passageiros e tripulantes foram até um hospital em Jacarta para a coleta de amostras de DNA que serão comparadas com partes de corpos encontrados no mar.

Mais de 300 médicos forenses estão trabalhando nas análises. "A precisão é mais importante do que a velocidade", disse Ahmad Fauzi, vice-chefe da equipe de identificação de vítimas do acidente.

Rapin Akbar, que teve uma amostra de sangue colhida, tinha quatro parentes a bordo do avião: uma irmã mais velha, um sobrinho, a esposa, além do bebê dos dois, de sete meses. "Esperamos que eles encontrem os corpos rapidamente para que possamos enterrá-los", disse Akbar, ainda em choque. Seu sobrinho planejava voltar a Pontianak no domingo, mas decidiu viajar no sábado. “Ele me ligou para dizer que o voo estava atrasado e me enviou uma foto de seu bebê. Era o primeiro filho dele”, disse.

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.