Opositor Navalni pode pegar 3,5 anos de cadeia e convoca protesto contra Putin

EUA e países europeus exigem libertação do líder que voltou à Rússia após ser envenenado

  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

São Paulo

O líder opositor Alexei Navalni pode pegar 3,5 anos de prisão após ser detido ao voltar para a Rússia no domingo (17), 150 dias depois de deixar o país em coma devido a um envenenamento que ele atribui ao governo de Vladimir Putin.

Desafiador, ele convocou protestos de rua contra o Kremlin em um vídeo postado em seu canal no YouTube antes de receber uma sentença provisória, expressa em 15 minutos numa corte de Moscou porque ele teria violado os termos condicionais de suspensão de uma condenação por fraude.

Navalni fala em seu canal do YouTube enquanto espera a audiência numa corte nos arredores de Moscou
Navalni fala em seu canal do YouTube enquanto espera a audiência numa corte nos arredores de Moscou - Time Navalni no YouTube/AFP

Ele ficará preso por até 30 dias, mas no dia 2 de fevereiro haverá uma nova audiência em que poderá ser reativada a sentença de 2014, segundo seus advogados divulgaram em redes sociais.

"Esse velho ladrão [Putin], escondido num bunker, senta e treme de medo. Eles têm medo e portanto estão fazendo tudo tão urgente, em segredo, numa correria. Eles estão com medo e têm medo de vocês", disse Navalni.

"Não tenham medo de tomar as ruas. Não por mim, mas por vocês e pelo seu futuro", completou. O Fundo Anticorrupção, ONG do ativista e blogueiro, pediu a retomada dos atos de sábado contra o governo —que chacoalharam grandes cidades russas em 2017 e 2019.

Para Sam Greene, diretor do Russia Institute do King's College de Londres, a prisão denota fraqueza do regime de Putin. Em suas redes sociais, escreveu que não é o caso, contudo, de esperar protestos. "Os russos não sentiram nada quando Navalni foi envenenado", disse.

​Navalni foi preso ao desembarcar em Moscou na noite de domingo (tarde em Brasília). Seu voo vindo de Berlim foi desviado de aeroporto, numa nada disfarçada tentativa de evitar aglomerações em seu favor.

O aeródromo original da chegada, Vnukovo, foi ocupado por forças de segurança, e 53 pessoas acabaram presas. Em Cheremetievo, onde por fim desembarcou, Navalni não passou da cabine de checagem de passaporte. Seus advogados reclamaram não ter tido acesso ao ativista por 15 horas, assim como sua noiva, Iulia.

Navalni estava na Alemanha depois de se recuperar do envenenamento pelo que os médicos afirmaram ter sido uma dose de Novitchok (novato, em russo), uma neurotoxina fatal em alta concentração usada tradicionalmente pelos serviços secretos soviético e russo.

O Kremlin nega qualquer participação no episódio, e analistas apontam que uma ação de políticos locais insatisfeitos com Navalni pode estar na raiz do episódio. Navalni estava em Tomsk (Sibéria) ajudando a elaborar dossiês de denúncias contra candidatos do partido de Putin na região na eleição local de setembro.

Em dezembro, contudo, uma reportagem da CNN identificou um time do FSB, principal serviço secreto russo, que monitorava Navalni. O ativista então disse ter conseguido enganar um dos espiões, passando-se por seu superior no telefone, e obtido detalhes de seu envenenamento —o Novitchok teria sido colocado em uma cueca quando ele estava fora do hotel.

A história foi considerada fantasiosa pelo FSB, mas levada a sério fora do país. Navalni estava na Alemanha e começou a preparar sua volta. Em dezembro, o Serviço Penitenciário Federal avisou que teria de prender o ativista porque sua ausência feria a condicional por uma condenação de 2014, que Navalni diz ter sido forjada. Ele também responde a outro processo criminal pela mesma acusação.

Assim, sua detenção era previsível. Ainda que nunca tenha angariado apoio como candidato presidencial, algo que tentou ser sem conseguir em 2018, Navalni aposta no fastio dos russos com a era Putin, iniciada no fim de 1999.

Em setembro, haverá eleições parlamentares, e ele está disposto a comandar um processo de voto útil nacional em qualquer candidato com mais chance do que do partido do regime, o Rússia Unida. Aparentemente, o Kremlin não está querendo aceitar riscos.

Enquanto isso, o Ocidente faz o que sempre fez: repudia. O secretário de Estado americano, Mike Pompeo, no penúltimo dia no cargo, condenou a prisão e pediu a libertação de Navalni. O próximo conselheiro de Segurança Nacional do governo Joe Biden, Jake Sullivan, fez o mesmo.

A União Europeia também foi na mesma linha, com os bálticos ex-soviéticos Lituânia e Estônia, sempre temerosos dos antigos mestres em Moscou, pedindo sanções contra o Kremlin.

A Alemanha, que recebeu e tratou o então moribundo Navalni em agosto, também condenou a prisão. Mas o porta-voz de Angela Merkel, Steffen Seibert, foi realista quando questionado se o episódio não deveria ser punido com o fim da construção do gasoduto NordStream 2, um projeto conjunto Berlim-Moscou.

A resposta foi um sonoro não da "realpolitik". Cerca de 40% do gás que alimenta a maior economia europeia vem da Rússia, e dobrar a capacidade de envio do produto pelo mar do Norte, sob o qual corre já o NordStream 1, é uma prioridade de Merkel e um investimento bilionário de empresas europeias.

  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.