Em clima de campanha, Trump deixa Washington com promessa de voltar 'de alguma forma'

Em discurso final, republicano defende condução na economia e chama vacina de 'milagre da medicina'

São Paulo

Em seu último dia no cargo, o presidente Donald Trump deixou Washington na manhã desta quarta-feira (20) em clima de campanha. Ele fez um discurso para apoiadores ao lado do Air Force One, o avião presidencial, e prometeu "voltar de algum jeito".

Na porta da aeronave, Trump acenou pela última vez como presidente ao som de "Y.M.C.A.", um dos vários hits dos anos 1970 e 1980 usados em seus comícios. A promessa de recuperar aspectos de um passado supostamente heróico do país sempre foi uma das bases de sua campanha.

No momento em que o avião partiu, a canção ao fundo era "My Way", sucesso na voz de Frank Sinatra e uma forma de reafirmar a imagem do republicano como um homem independente, que segue seu caminho indiferente a códigos e tradições.

O presidente Donald Trump e a primeira-dama Melania acenam ao embarcar rumo à Flórida - Carlos Barria/Reuters

Ao chegar à base militar de Andrews, houve uma salva de tiros de canhão em homenagem a Trump. No discurso, feito em um palco montado na pista de decolagem, ele não citou o presidente eleito, Joe Biden, mas desejou sorte e sucesso ao novo governo, sem deixar de se gabar.

"Como dizem os atletas, nós demos tudo em campo. Não poderíamos ter feito um trabalho mais duro. Eles [governo Biden] terão uma boa base para fazer coisas. Nós próximos meses, haverá bons números na economia. Lembrem-se de nós."

O republicano ressaltou a melhora na vida de veteranos das Forças Armadas, destacou ter cortado impostos e regulações e lembrou que, durante seu governo, o país registrou o menor percentual de desemprego na história antes da pandemia. Logo em seguida, os EUA registraram desocupação recorde.

Sobre a crise gerada pela Covid-19, solidarizou-se com as famílias das vítimas e celebrou que uma vacina foi criada, com apoio de seu governo, em nove meses. Ele chamou o imunizante de "milagre da medicina".

Por outro lado, as dezenas de apoiadores que acompanharam o discurso, entre os quais familiares de Trump, não respeitaram as regras de distanciamento social. Os EUA atingiram nesta terça (19) a sombria marca de 400 mil mortos por coronavírus —o país lidera há meses o ranking de óbitos devido à doença.

O presidente agradeceu ao vice Mike Pence e ao Congresso —"tirando alguns elementos"—, além de amigos e familiares. A primeira-dama Melania, toda vestida de preto, fez um breve discurso e agradeceu pelo amor e ajuda que recebeu. "Deus abençoe esta nação linda", disse ela.

Ao final, Trump indicou que não deve sair de cena. "Eu sempre vou lutar por vocês. Vou estar vendo e ouvindo. É apenas um adeus, nós amamos vocês, vamos voltar de alguma forma." Na parte final da fala, o presidente usou o tom carinhoso com que costuma se dirigir a apoiadores nos comícios, com frases como "vocês são incríveis". Já a agressividade que costuma reservar a rivais foi contida.

O avião decolou por volta das 9h (11h em Brasília) rumo à Flórida. Trump havia deixado a Casa Branca às 8h15, para embarcar no helicóptero que o levou até a base de Andrews. "É um adeus, mas espero que não por muito tempo", disse o presidente, no jardim da residência oficial, com um semblante um tanto triste.

"Foi uma grande honra, a honra de uma vida", afirmou aos jornalistas.

Trump deixou Washington três horas antes da posse de Joe Biden. Ele é o primeiro mandatário a faltar na posse do sucessor em mais de um século. Outros líderes do país só deixaram a capital após a transição de cargo, e muitas vezes tiveram a companhia do novo presidente até o helicóptero que os levaram embora. Assim, a saída de Trump foi comparada pela imprensa americana à partida de Richard Nixon, que deixou o cargo após renunciar, em 1974.

Nas últimas horas no cargo, Trump concedeu perdão presidencial a mais de cem pessoas, incluindo Steve Bannon, estrategista da campanha republicana vitoriosa de 2016 e acusado de fraude ao pedir doações para a construção de um muro na fronteira entre os EUA e o México.

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.