Descrição de chapéu Governo Biden

Câmara dos EUA aprova plano econômico de US$ 1,9 tri de Biden

Medida segue para o senado, onde a vice-presidente Kamala Harris pode ter voto de minerva

  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

Washington | Reuters

O presidente Joe Biden obteve sua primeira vitória legislativa com a aprovação na câmara do seu pacote US$ 1,9 trilhão para combater os efeitos da pandemia na economia dos EUA, embora o projeto democrata de utilizar a medida para aumentar o salário-mínimo tenha sido frustrada.

Os democratas, que controlam a Câmara, aprovaram a medida por uma votação de 219 a 212 e a enviaram ao Senado, onde planejam uma manobra que permita aprovar a medida sem o apoio de parlamentares republicanos.

O Plano de Resgate Americano, como foi batizado pelo governo, deve ser usado para pagar por vacinas e suprimentos médicos e possibilitar uma nova rodada de auxílio financeiro para famílias, pequenas empresas, governos estaduais e locais.

"O povo americano precisa saber que seu governo está ao seu lado", disse a presidente da Câmara, Nancy Pelosi, em debate no plenário.

Homem grisalho de terno azul e máscara preta sentado em escrivaninha, com bandeira dos EUA ao fundo
Presidente dos EUA, Joe Biden - Saul Loeb/AFP

Os republicanos, que anteriormente apoiaram gastos com a pandemia, disseram que grande parte do pacote atual não era necessário, afirmando que apenas 9% do total iria diretamente para o combate ao vírus.

A votação na Câmara foi um teste bem-sucedido para os democratas, que detêm uma maioria estreita na Câmara. Progressistas e moderados no partido, que muitas vezes estão em desacordo, enfrentarão batalhas mais difíceis em questões como migração e mudanças climáticas.

Os itens mais caros do projeto incluem pagamentos de US$ 1.400 a pessoas físicas, um seguro-desemprego federal de US$ 400 por semana até 29 de agosto e ajuda para quem está com dificuldade para pagar aluguéis e hipotecas durante a pandemia.

O decreto agora segue para o Senado, onde a vice-presidente democrata Kamala Harris pode ter que votar pelo desempate em uma câmara onde os republicanos controlam 50 cadeiras e os democratas e seus aliados controlam as outras 50.

Os democratas, no entanto, terão que decidir como lidar com a proposta inclusa na medida de aumentar o salário-mínimo, uma mudança que não pode ser aprovada por maioria simples no senado, mas exigiria ao menos 60 dos 100 votos da casa. O partido pode decidir por retirar a cláusula do decreto para facilitar a aprovação pelos senadores.

  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.