Descrição de chapéu Coronavírus

EUA cruzam a marca de 500 mil mortes por Covid-19

País mais atingido pela pandemia registra 28 milhões de infectados pelo vírus

  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

Nova York | Reuters

País mais atingido pela coronavírus, os EUA ultrapassaram nesta segunda (22) meio milhão de mortos pela doença —um ano depois da primeira vítima registrada, na Califórnia.

O presidente Joe Biden prestou homenagem aos mortos e ordenou que as bandeiras fiquem a meio-mastro em prédios públicos até a próxima sexta-feira (26).

O presidente Joe Biden e a mulher, Jill, a vice, Kamala Harris, e o marido, Doug Emhoff, prestam homenagem aos mortos na pandemia em cerimônia na Casa Branca - Jonathan Ernst/Reuters

“Como nação, nós devemos lembrar as vítimas para que possamos começar a nos curar, a nos unir, e a encontrar um propósito como uma nação para derrotar esta pandemia”, disse o democrata na cerimônia em que o sinos da Catedral de Washington soaram 500 vezes para simbolizar as 500 mil mortes.

“Enquanto reconhecemos a escala dessa morte em massa nos EUA, devemos nos lembrar de cada pessoa e da vida que eles viveram”, discursou o presidente, que pediu aos americanos que se mantenham vigilantes na luta contra a pandemia –usando máscaras, mantendo distanciamento social e tomando a vacina quando chegar a sua vez.

Biden e sua vice, Kamala Harris, escutaram em silêncio a execução do hino cristão “Amazing Grace”.

Os Estados Unidos somam mais de 28 milhões de infectados pela Covid-19, mas os registros de casos e hospitalizações estão no menor nível desde os feriados de Ação de Graças e Natal.

Cerca de 19% de todas as mortes relacionadas ao coronavírus foram registradas nos EUA, ainda que o país tenha apenas 4% da população mundial.

“Esses números são chocantes”, disse o infectologista Anthony Fauci, um dos maiores especialistas do país. “Se você olhar o histórico, nós fomos muito piores do que qualquer país no mundo, e nós somos um país altamente desenvolvido, um país rico.”

Fauci disse ainda que divisões políticas contribuíram significativamente para que os EUA chegassem a esse número de vítimas da Covid-19. “Mesmo nas melhores condições, esse teria sido um problema sério”, afirmou. “No entanto, isso não explica como um país rico e sofisticado consegue ter o maior percentual de mortes e ser o mais atingido no mundo.”

Com 4% da população mundial, os EUA somam 20% das mortes por coronavírus. “Essa é a pior coisa que aconteceu ao país com relação à saúde da nação nos últimos cem anos”, disse o especialista, que acrescentou que daqui a décadas, as pessoas ainda estarão falando sobre “aquele terrível ano de 2020 e talvez 2021”.

  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.