Ernesto ganha cargo administrativo no Itamaraty enquanto Bolsonaro decide nova função

Indicação do ex-chanceler para embaixada no exterior enfrenta bloqueio no Senado

  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

Brasília

Retirado do cargo de chanceler após forte pressão do centrão e de empresários, o ex-ministro Ernesto Araújo recebeu nesta quarta-feira (31) uma posição subordinada ao setor administrativo do Itamaraty.

De acordo com interlocutores, a ideia é que ele permaneça na lotação até que o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) decida o destino dele: se fica no Brasil ou se é enviado para alguma missão no exterior.

Por ora, ele foi designado para a secretaria de gestão administrativa do Itamaraty. A estrutura, responsável entre outros temas por tratar das remoções para o exterior, é chefiada pela embaixadora Cláudia Buzzi.

O ex-chanceler Ernesto Araújo dá entrevista no Itamaraty, em Brasília - Evaristo Sá - 24.fev.21/AFP

A partir de agora, Ernesto deve despachar de uma sala no anexo 1 do Itamaraty, onde trabalha todo o segundo escalão da instituição. Em uma situação normal, o esperado seria que ele fosse enviado para chefiar alguma embaixada no exterior. Mas a demissão do ex-chanceler ocorreu em circunstâncias excepcionais, em meio a uma rebelião aberta de senadores contra a gestão dele no Itamaraty.

Lideranças no Senado —entre as quais a presidente da comissão de Relações Exteriores, Kátia Abreu (PP-TO)— já deixaram claro que não pretendem dar a bênção para a designação de Ernesto como embaixador de uma missão diplomática fora do Brasil. Assim, o ex-ministro converteu-se em uma espécie de elefante branco para seu sucessor, o também diplomata Carlos França.

Sem condições políticas de ser designado para uma embaixada, as opções para o futuro de Ernesto foram reduzidas. Uma das alternativas é que ele seja enviado para uma posição fora do Brasil que não requer confirmação do Parlamento, como a missão brasileira junto à OCDE (Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico).

Ernesto também poderia ser incumbido com o comando de um consulado, outro cargo que dispensa aprovação do Senado. Mas são posições consideradas abaixo da relevância que um ex-chanceler tem na instituição. Pessoas que acompanham a transição das duas administrações dizem que Ernesto pediu alguns dias para decidir qual cargo pretende pleitear.

A ideia de nomeá-lo para a secretaria de gestão administrativa foi uma forma de evitar que o ex-ministro permanecesse sem função na carreira. Mas a possibilidade de que a solução tampão se alongue por um período maior preocupa diplomatas. No anexo 1 do Itamaraty, Ernesto despachará ao lado dos secretários da nova administração. Também estará a poucos passos do gabinete do novo ministro, o que faz membros da carreira temerem que ele queira exercer alguma influência sobre as decisões de França.

O chanceler recém-nomeado, por sua vez, dedicou os últimos dias a montar sua equipe no Itamaraty. Ele definiu que seu número dois será o embaixador Fernando Simas, hoje representante permanente do Brasil na OEA (Organização dos Estados Americanos).

Simas entrou na carreira em 1980. Assim, França decidiu colocar na secretaria-geral do Itamaraty um diplomata experiente e que já comandou uma embaixada no exterior —no caso, a de Quito. França, por sua vez, é um embaixador recém-promovido e nunca comandou uma embaixada fora do Brasil.

  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.