Descrição de chapéu
Financial Times

EUA não são responsáveis pelo enfraquecimento da democracia

Expansão da liberdade após a Guerra Fria foi exceção à regra autocrática

  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

Janan Ganesh
Financial Times

Se não fosse por Israel, um motorista imprudente poderia dirigir da extremidade nordeste da Rússia, aquela que fica de frente para o Alasca, até a ponta sudoeste de Angola sem passar por um único país dito “livre” ou mesmo “parcialmente livre”. Esse mapa desalentador justifica por si só o título bombástico de “Democracy Under Siege” (a democracia assediada), relatório da ONG Freedom House.

Os autores do relatório carregam nos dados lúgubres. Em nenhum ano desde 2005 o número de países que aprimoraram suas instituições democráticas superou o dos países que as enfraqueceram.

Entre os malfeitores recentes estão o país mais forte do mundo (EUA) e o segundo mais populoso (Índia). A China, potencialmente o país dominante do século, recebeu apenas nove pontos por liberdade geral (de um total possível de 100).

Apoiadores do ex-presidente Donald Trump entram em confronto com a polícia no dia da invasão do Capitólio, em Washington
Apoiadores do ex-presidente Donald Trump entram em confronto com a polícia no dia da invasão do Capitólio, em Washington - Olivier Douliery - 6.jan.21/AFP

Não faltam problemas metodológicos aqui. Táticas “punitivas” contra a imigração deveriam reduzir a pontuação dos EUA? E que história é essa de “desigualdade exacerbada de renda” ser incluída numa revisão cívica?

Mesmo assim, na medida em que os valores são quantificáveis, o estilo liberal de governo segue uma trajetória descendente fartamente documentada. Os EUA e o Ocidente mais amplo têm apenas um consolo: a maior parte da crise não é culpa deles. Decorre disso que o alívio da crise é uma tarefa que está fora de seu alcance.

Não há nada de estranho nem sequer de novo na falta de liberdade. É o boom democrático visto desde a Guerra Fria que constitui a aberração histórica. Países com pouca ou nenhuma experiência de instituições livres finalmente as ensaiaram. Embora o recuo subsequente seja trágico, é preciso um tipo especial de ingenuidade para sentir muito choque diante disso.

Se existe uma “recessão democrática”, ela partiu de um pico singular e que nunca chegou a ser sustentável. Como a maioria das recessões, ela não desfez todos os avanços da expansão anterior. A novidade real é a tenacidade com que a democracia tem resistido em boa parte da Europa ex-comunista e da América do Sul. Ali, não obstante os receios em torno do Brasil, apenas a Venezuela é “não livre”.

É revelador o fato de que a iliberalização do mundo segue adiante, independentemente do que fazem os EUA. Se o processo começou em 2006, então aquilo que o Freedom House descreve como “o eclipse de liderança americana” sob Donald Trump não pode ser visto como responsável.

Os presidentes americanos ao longo desse período incluem um líder belicoso e propagador de democracia (George W. Bush), um liberal ortodoxo (Barack Obama) e um nacionalista amoral, na pessoa do próprio Trump.

Estivesse a América usando de força justa, defendendo a ordem global ou bajulando ditadores, os sinais vitais da democracia não piscaram em resposta. Em algum momento Washington talvez seja obrigada a encarar a possibilidade de que outros países possuem livre-arbítrio.

O estado do mundo não é a soma das políticas externas dos EUA, quer estas sejam toscas, bem-intencionadas ou toscamente bem-intencionadas.

É difícil saber qual partido político precisa mais dessa lição. A ideia equivocada dos democratas é que Trump, diretamente ou graças a seu descaso e inação, teve muito a ver com o mal-estar democrático do mundo (além de tê-lo promovido em casa). Entre a direita marcial, a crença numa política externa pautada por causa e efeito se estende à ideia espantosamente persistente de que a América “perdeu” a China para o comunismo em 1949.

Apesar de insossa, a visão alternativa parece quase subversiva demais para ser aventada. Ela reza que a democracia não precisa ser o destino teleológico de todos os países. Os meios empregados para promovê-la que vêm de fora com frequência são insensatos (guerras) ou têm eficácia irregular (sanções).

E, se o Ocidente não conseguiu fazer a liberdade deitar raízes como o padrão global quando estava em ascendência, é pouco provável que o faça no momento em que a balança do poder mundial vai pendendo cada vez mais para o Oriente.

Não é como se a liderança pelo exemplo tivesse grandes resultados. Há uma frase circulando segundo a qual o presidente Joe Biden poderá ajudar a democracia no âmbito internacional, protegendo-a em casa. É uma ideia doce, que permite uma medida de idealismo sem os fracassos violentos do Iraque e da Líbia. E, intuitivamente, passa a impressão de ser verdade.

O problema está em encaixar a teoria com os fatos. Está claro que a democracia americana estava mais sadia em 1971 do que está em 2021. Mas o número de democracias no resto do mundo era muito menor em 1971.

Ao longo da década de 1960, enquanto os EUA foram estendendo o direito de voto a milhões de eleitores negros, o mundo que assistia a isso “deveria” ter ficado inspirado. Em vez disso, as autocracias se multiplicaram. Mesmo que permitamos um atraso e façamos vista muito grossa, é difícil identificar uma correlação, muito menos um vínculo causal, entre a vida interna dos EUA e o destino da liberdade no mundo.

A razão pela qual devemos fortalecer a democracia em casa é que isso é um bem inato. A ideia de que isso faça a menor diferença que seja no resto do mundo virou uma dessas máximas que só sobrevivem graças à repetição.

A franquia universal tem só um século de idade, mais ou menos. Antes de seus lapsos mais recentes, repúblicas tão consolidadas quanto a Índia e a América passaram pela Emergência (estado de emergência que ficou em vigor na Índia entre 1975 e 1977) e pelo período da segregação racial sob as leis Jim Crow.

Tenho 39 anos; nasci antes de várias democracias na Europa. Quando o sistema liberal não está assediado, isso é notícia. O desespero diante do declínio dele é apenas natural. Seria mais apropriado sentir espanto com sua sobrevivência.

Tradução de Clara Allain

  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.