Descrição de chapéu RFI Coronavírus

Vacinação contra Covid-19 para jovens adultos na Guiana Francesa atrai brasileiros

Com fronteira fechada, moradores do Amapá tentam atravessar rio ilegalmente para receber imunizante

  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

RFI

O "vacinódromo" da Guiana Francesa acaba de ser inaugurado em Caiena, capital do departamento ultramarino que faz fronteira com o estado do Amapá. O assunto é tratado com destaque pelo portal de notícias France Info, já que a Agência Regional de Saúde (ARS) local aproveita os anúncios de entrega de milhares de doses de vacinas anti-Covid-19 para estender a imunização a pessoas com mais de 30 anos.

A variante brasileira representa atualmente um terço dos casos de coronavírus na Guiana Francesa. Em São Jorge do Oiapoque (Saint-Georges-de-l'Oyapock, em francês) e vilarejos ribeirinhos do rio Oiapoque, que forma a fronteira natural com o Brasil, a imunização é oferecida para quem tem mais de 18 anos.

Enfermeiros preenchem formulários em centro de vacinação de Caiena, capital da Guiana Francesa
Enfermeiros preenchem formulários em centro de vacinação de Caiena, capital da Guiana Francesa - Jody Amiet - 30.mar.21/AFP

"Ao vacinar os mais jovens e também na faixa etária de 30 a 40 anos, esperamos proteger ainda mais o território do risco de propagação e importação" do vírus, diz a diretora da agência de saúde local, Clara de Bort. A população da Guiana é de 300 mil pessoas, em média muito jovens, explica a diretora da ARS.

"Não temos a mesma pirâmide etária que na França metropolitana. Os idosos acima de 75 anos não são numerosos e foram vacinados", relata De Bort ao site France Info. Até 24 de março, 8.016 pessoas tinham sido imunizadas, de acordo com dados do Ministério da Saúde.

A extensão da vacinação aos mais jovens será viabilizada, segundo ela, pela entrega de 19 mil doses em abril. Os estoques aumentarão ainda mais em maio, com a chegada prevista de 42 mil doses de imunizantes, e 52 mil previstos em junho. O "vacinódromo" de Caiena, inaugurado nesta terça-feira (30), terá capacidade para aplicar 500 injeções por dia, contra 200 anteriormente.

A fronteira entre a Guiana Francesa e o Brasil está fechada, mas isso não tem impedido que brasileiros provenientes do Amapá tentem atravessar o rio Oiapoque ilegalmente, para serem vacinados contra a Covid-19 no território francês, onde a campanha de vacinação está aberta a todos os adultos.

Nos dias de vacinação, a polícia francesa tem reforçado as patrulhas fluviais para interceptar brasileiros que se aventuram em canoas e pequenos barcos a motor para atingir a outra margem do rio, como mostra reportagem do canal France Info.

Uma brasileira que conseguiu se imunizar no território francês explicou suas motivações. "Trabalho no transporte de pessoas, estou em contato com muita gente todos os dias", disse Carmen Lucia, que trabalha no projeto de cooperação transfronteiriça entre Brasil e França. Como ela, apenas 50 brasileiros tiveram permissão para cruzar o rio Oiapoque a fim de se beneficiar da vacinação.

Desde o início da pandemia, a Guiana Francesa registrou 16.922 casos da doença e 89 mortes.

  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

Tópicos relacionados

Leia tudo sobre o tema e siga:

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.