Equador encara disputa acirrada em 2º turno sob a sombra de Correa

Pesquisas divergem se apadrinhado por ex-presidente ou banqueiro de centro-direita será novo líder

  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

Buenos Aires

Os equatorianos voltam às urnas neste domingo (11) com um cenário muito diferente do apresentado no primeiro turno das eleições presidenciais, em 7 de fevereiro. Na ocasião, Andrés Arauz, economista de esquerda apadrinhado pelo ex-presidente Rafael Correa, venceu o pleito com ampla margem sobre o segundo colocado, o banqueiro de centro-direita Guillermo Lasso.

Nessa primeira rodada, com placar final de 32,72% contra 19,74%, Lasso quase ficou de fora da corrida, já que o terceiro colocado, o líder indígena Yaku Pérez, obteve 19,42%. A diferença estreita gerou acusações de fraude e pedidos do candidato derrotado para que seus eleitores votassem nulo no segundo turno.

Apoiadores do candidato à Presidência do Equador Andrés Arauz durante evento de campanha em Quito
Apoiadores do candidato à Presidência do Equador Andrés Arauz durante evento de campanha em Quito - Cristina Vega - 8.abr.21/AFP

O panorama agora mostra uma disputa cujo resultado é incerto, e as pesquisas não apontam um favorito claro. Levantamento da consultoria Clima Social, por exemplo, dá mais de dez pontos percentuais de vantagem para Arauz (55,7% a 44,3%). A agência Click Report, porém, aponta vantagem pequena de Lasso, de 51,49% a 48,51%, pouco acima da margem de erro, entre 1 e 2 pontos percentuais. E a Market, por sua vez, oferece um empate técnico, com Arauz ligeiramente à frente, 42% a 41%.

A sondagem do instituto Cedatos, entretanto, indica que a faixa de indecisos é de 28,8%, o que pode jogar a vitória para qualquer um dos lados. Quem parou de ver o filme no primeiro turno e voltou a acompanhá-lo apenas às vésperas desse segunda rodada perguntará: o que aconteceu?

"O segundo turno em geral é uma outra eleição, e, no Equador, uma disputa difícil de explicar. Yaku Pérez pediu o voto nulo, mas os números indicam que seus eleitores não o obedeceram", diz o cientista político Simon Pachano. "A maioria dos votos dele iria para Arauz, e uma parte menor, para Lasso. Também entrou na equação o apoio do [esquerdista] Xavier Hervas [quarto colocado, com 15,68%] a Lasso. O que ocorreu foi menos uma polarização entre esquerda e direita, e mais entre correísmo e não-correísmo."

Correa, presidente do Equador entre 2007 e 2017, participou ativamente da campanha no primeiro turno, mesmo vivendo na Bélgica devido a uma condenação por corrupção. Agora, porém, afastou-se, justamente para que Arauz não ficasse marcado pelo correísmo, evitando, assim, atiçar a rejeição. Para Pachano, apenas a desaprovação de Correa explica o apoio de esquerdistas a um banqueiro, porque, diz ele, a polarização em torno do ex-líder do país importa mais do que a orientação ideológica.

Outros movimentos foram notados nesses dois meses entre o primeiro e o segundo turnos. Arauz explorou mais sua vida pessoal e levou a mulher grávida ao debate com Lasso. Também reforçou sua imagem de esquerdista moderno.

"Desde meados da gestão Correa começou a surgir um movimento de renovação da esquerda que foi se popularizando, o de uma esquerda menos populista e mais tecnocrata", afirma o analista político Pedro Donoso, diretor do Icare, agência de análise de dados baseada em Quito. "Arauz é fruto desse movimento, e isso foi bastante exposto nessa fase da campanha."

Diretor-geral do Banco Central do Equador entre 2011 e 2013, além de ministro de Conhecimento e Talento Humano durante a gestão de Correa, Arauz propõe distribuir US$ 1.000 para cada equatoriano em dificuldade devido à pandemia. Também é um crítico da dívida de US$ 4 bilhões contraída pelo atual presidente do país, Lenín Moreno, com o FMI.

Ele, porém, não quer deixar de pagá-la, mas negociar a reestruturação do débito e o fim da política de ajustes implementada como contrapartida ao empréstimo.

Lasso, por sua vez, teve que desafiar o estigma de banqueiro que, segundo as pesquisas, provocam rejeição à sua imagem, sobretudo num país em que 32,4% das pessoas vivem na pobreza e 67,4% são trabalhadores informais, de acordo com o Instituto Nacional de Estatística e Censos.

Para tal, viajou à região andina do país, visitou populações indígenas usando roupas características e fez gestos à esquerda ao defender a ampliação dos direitos dos LGBT e das mulheres. Também prometeu atuação na área ambiental, uma das principais bandeiras de Yaku Pérez. Candidato à Presidência pela terceira vez, Lasso argumenta ter mais chances de atrair investidores ao país porque os conhece pessoalmente, já que foi embaixador nos EUA, executivo da Coca-Cola e acionista do banco Guayaquil.

Qualquer que seja o vencedor, o eleito enfrentará uma situação difícil. "Estou mais preocupado com o dia 12 do que com o dia 11", diz Donoso, do Icare. "Não importa o modelo político de cada um dos candidatos, porque a realidade tem tudo para devorar qualquer que seja o modelo político."

A economia equatoriana encolheu 7,8% no ano passado, e a expectativa de crescimento para este ano é de apenas 3,1%, de acordo com projeções oficiais.

Além disso, o país foi duramente afetado pela pandemia. Após uma redução dos casos no início de 2021, as infecções voltaram a subir, e Quito já está com o sistema de UTIs colapsado. As vacinas chegam de modo lento, e o país aplicou a primeira dose da vacina em apenas 1,4% da população, taxa que cai para 0,7% quando consideradas as duas doses.

Além disso, o Equador herda uma cenário social complexo, sem que nunca tenha havido um acordo de fato com o movimento indígena, responsável por intensos protestos em outubro de 2019.

"Ainda não entendemos aquele movimento e o que ele significou em termos de demanda de uma parte da população que não foi atendida. Portanto, ele pode voltar a ganhar força em algum momento e gerar mais instabilidade", diz Donoso.

O eleito neste domingo assume o cargo em 24 de maio, sucedendo Lenín Moreno, que mantém hoje baixíssima aprovação popular, de 7%, a menor da América do Sul.

  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.