Peru decide novo presidente em disputa fragmentada e cheia de outsiders

Embolados, candidatos não conseguem romper barreira dos 10% das intenções de voto em pesquisas

  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

Buenos Aires

O cenário eleitoral peruano é tão incerto que, às vésperas do pleito presidencial, marcado para o domingo (11), não é possível afirmar quem são os favoritos a um eventual segundo turno. Dos 18 candidatos na disputa, nenhum tem mais de 10% das intenções de voto nas principais pesquisas, e os sete primeiros estão embolados com diferenças que variam de centésimos a cinco pontos percentuais.

Na verdade, há, sim, alternativas favoritas. Juntas, as opções de anular o voto e a de não comparecer às urnas somam 30%, de acordo com levantamento do instituto Ipsos. "Não há uma palavra para descrever a situação, talvez uma lágrima o faria melhor", diz o sociólogo Fernando Tuesta Soldevilla, para quem as sondagens devem ser lidas semana a semana. "O desgaste dos candidatos é tão forte que os que lideram caem rapidamente e, na semana seguinte, já há novos líderes. É uma situação inédita não saber ao certo nem ao menos quem será um dos dois candidatos no segundo turno."

Debate entre candidatos à Presidência do Peru, em Lima
Debate entre candidatos à Presidência do Peru, em Lima - Sebastian Castaneda - 31.mar.21/AFP

Para os especialistas ouvidos pela Folha, esta eleição reflete a situação de desmonte dos partidos, algo que vem desde o período fujimorista (1990-2000), o aumento da desconfiança em relação à política provocada por seguidos escândalos de corrupção —um deles envolvendo a empreiteira brasileira Odebrecht— e os efeitos da pandemia do coronavírus. O Peru é um dos países da América do Sul mais afetados pela Covid, com 53.978 mortes desde o início da crise —e agora vê uma nova alta de casos.

"Houve eleições em outros países durante a pandemia, mas não uma eleição num novo momento de pico da pandemia, é uma irresponsabilidade", completa Tuesta. A pressa para realizar o pleito de todas as formas na data prevista, porém, responde também à instabilidade do atual governo peruano.

O presidente interino Francisco Sagasti é o quarto do atual mandato e defende que a data seja respeitada para que o Peru tenha sua festa de 200 anos de independência com a posse do eleito, em 28 de julho.

Embolados nos primeiros lugares, segundo pesquisa do instituto Datum, estão cinco "outsiders" e apenas dois nomes mais experientes: a direitista Keiko Fujimori, ex-congressista e filha do autocrata Alberto Fujimori, com 9,3% das intenções de voto, e a líder de esquerda Veronika Mendoza, com 5,9%.

O levantamento também mostra o populista de esquerda Yohny Lescano com 9,1%, e o candidato de ultradireita Rafael López Aliaga com 8,9%. Lescano, que vinha liderando nas últimas semanas, já caiu. Entre suas propostas está maior presença do Estado na exploração de minérios —maior riqueza do país—, a criação de empregos e maior restrição à entrada de imigrantes venezuelanos.

Já López Aliaga vem sendo chamado de "Bolsonaro peruano" por seu vínculo com a Igreja Católica —ele é membro da Opus Dei— e pela pauta conservadora nos costumes. É contrário ao aborto e, assim como Lescano, à entrada de venezuelanos. Aspectos pitorescos de sua personalidade —ele afirma usar um cinto com agulhas para suprimir seu desejo sexual e se aproximar a Deus— chamaram a atenção da mídia e, por isso, o candidato vem conquistando espaço nos meios de comunicação.

No sobe e desce das pesquisas, os nomes que ganharam força recentemente são Pedro Castillo, um ex-ativista que comandou uma greve nacional de professores em 2017 e hoje é um candidato de esquerda, com 8,2%, e o economista e acadêmico liberal Hernando de Soto, com 7,2%. Líder das sondagens até meses atrás, George Forsyth, ex-goleiro do Alianza Lima, está em queda, com 7,4%.

"É um cenário tão desolador que não imagino um retorno do Peru a um sistema de partidos como o que havia antes, com o compromisso dos políticos com um determinado conjunto de ideias", diz o cientista político Alberto Vergara, professor da Universidad del Pacífico.

A eleição também definirá uma nova composição do Congresso unicameral de 130 membros, numa votação disputada por 11 partidos. "Tudo aponta para que a instabilidade continue, porque nenhum partido deve ter maioria. Assim, a governabilidade fica comprometida", diz o sociólogo Tuesta.

Para Vergara, o problema não é tanto das instituições —o modelo político peruano, um presidencialismo com elementos de parlamentarismo, vem sendo questionado após seguidas crises e trocas de líderes—, mas sim político. Ainda assim, defende a revisão da figura da moção de vacância por incapacidade moral, que é "muito subjetiva e dá espaço para decisões arbitrárias".

O mecanismo para afastar presidentes, como utilizado recentemente contra Pedro Pablo Kuczynski e Martín Vizcarra, é mais rápido e menos burocrático que o impeachment —também existente no país— e, por isso, traz mais instabilidade à continuidade dos líderes.

O vencedor do pleito não herdará apenas um país golpeado pela pandemia, mas também um com muitos problemas econômicos. Houve uma redução do PIB em 2020 de 11% e um aumento do desemprego em 13,8%. Um provável segundo turno está marcado para o dia 6 de junho.

  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.