Descrição de chapéu China Ásia

Xi Jinping condena países que instruem outros 'com arrogância'

Em fórum asiático, líder chinês também repreende hegemonia global e interferência em assuntos internos

  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

São Paulo

Enquanto lida com tensões crescentes com os EUA, o líder chinês, Xi Jinping, defendeu a rejeição de estruturas de poder hegemônicas na governança global, durante o Fórum Boao para Ásia, nesta terça (20).

Sem especificar a que nações a menção se referia, Xi criticou os esforços de países em construir barreiras e quebrar vínculos, o que, segundo ele, prejudicaria outros e não beneficiaria ninguém. “O mundo não deveria ser liderado por unilateralismo de países individuais”, disse o líder chinês, segundo o jornal South China Morning Post. “Igualdade, respeito mútuo e confiança deveriam estar na vanguarda quando países lidam entre si. É impopular instruir os outros com arrogância e interferir em assuntos internos.”

O líder chinês, Xi Jinping, durante fala no Fórum Boao para Ásia
O líder chinês, Xi Jinping, durante fala no Fórum Boao para Ásia - Ju Peng/Xinhua

Ainda que Xi não tenha identificado nenhum país especificamente, autoridades chinesas se referiram recentemente à hegemonia americana em críticas públicas direcionadas à projeção global do poder de Washington no comércio internacional e na geopolítica. Há algum tempo a China pede reformas no sistema de governança global para refletir um rol mais diverso de perspectivas e de valores da comunidade internacional, a sua visão incluída, em vez de se limitar a alguns grandes países.

Pequim repetidamente entra em rota de colisão com grandes atores da governança mundial, em especial com os EUA, em torno de diferentes assuntos, que vão desde questões ligadas aos direitos humanos até a influência econômica chinesa. Devido à situação dos uigures, por exemplo, União Europeia, EUA, Canadá e Reino Unido impuseram no fim de março sanções à China. Pequim nega as acusações de abusos contra a minoria muçulmana da região de Xinjiang e diz que os locais chamados de campos de detenção são espaços de reeducação, voltados a combater o extremismo e a ensinar novas habilidades.

No início deste mês, os dois países voltaram às provocações militares em regiões consideradas chinesas por Pequim e enviaram porta-aviões para fazer exercícios, em uma intensificação da rivalidade a partir da confirmação de que o presidente americano, Joe Biden, vai seguir o caminho de confronto aberto por seu antecessor, Donald Trump. ​A Guerra Fria 2.0 do republicano, iniciada em 2017, abarcou quase todos os campos de competição possíveis, da autonomia de Hong Kong às redes de tecnologia móvel 5G, e tem um componente militar central. Xi fez menção à mentalidade de guerra fria em sua fala no fórum asiático, que foi acompanhada por grandes empresários americanos, como Tim Cook, da Apple, e Elon Musk, da Tesla.

“Enquanto passamos pela pandemia, pessoas de todos os países têm percebido mais claramente que é preciso abandonar a mentalidade de guerra fria e de competição e se opor a qualquer forma de uma nova guerra fria e confrontação ideológica”, afirmou o líder chinês, segundo o South China Morning Post.

Washington, no entanto, tem mobilizado aliados e reviveu o Quad, um grupo com Japão, Austrália e Índia, focado em exercícios militares conjuntos para demonstrar capacidade de estrangulamento e cerco aos chineses. Sob Biden, o clube fez sua primeira reunião de líderes e buscou enfatizar aspectos políticos, como facilitação ao acesso a vacinas no Sudeste Asiático, em reação à diplomacia de Pequim.

A China também fez parte do primeiro encontro presencial entre o presidente americano e o primeiro-ministro japonês, Yoshihide Suga, na sexta (16). Em demonstração de cooperação econômica que exclui Pequim, Biden disse que Japão e EUA vão investir conjuntamente em áreas como tecnologia 5G e inteligência artificial. Enquanto o governo americano reúne aliados para endurecer a posição em relação a Pequim, a China busca fortalecer seus laços com parceiros e vizinhos do Sudeste Asiático que dependem economicamente da potência oriental. Participantes chineses do Boao, uma resposta asiática ao Fórum Econômico de Davos, na Suíça, reafirmaram o compromisso chinês com o livre comércio internacional.

As práticas chinesas nessa área foram o foco de uma intensa guerra tarifária entre Pequim e Washington durante a gestão de Trump. Os EUA acusavam o adversário de fornecer subsídios que davam a empresas do país vantagens injustas e de forçar a transferência de propriedade tecnológica e intelectual.

“A maior experiência da adesão da China à Organização Mundial do Comércio há 20 anos é que nós, chineses, não temos medo da concorrência”, disse nesta segunda (19), no fórum, Long Yongtu, ex-negociador-chefe para a entrada do país asiático na OMC, em 2001.

Apesar do confronto persistente entre as duas potências mundiais, recentemente os países entraram em um acordo para estabelecer compromissos mais audaciosos para o clima. Xi abordou o tema em sua fala no fórum. Mais tarde, Hua Chunying, porta-voz do Ministério do Exterior, confirmou que o líder chinês irá participar da Cúpula do Clima convocada por Biden por vídeconferência e fará um discurso.

Com Reuters

  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.